OPINIÃO

As práticas abusivas mais comuns no mercado

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Já tratamos aqui nesta coluna das práticas abusivas nas relações de consumo. Mas sempre é importante reforçar esse tema, uma vez que o Código de Defesa do Consumidor ao identificar tais práticas visa alertar consumidores e fornecedores para que corrijam comportamentos equivocados, permitindo que as relações de consumo aconteçam dentro de uma normalidade, pacificando as relações entre as partes envolvidas no processo de compra e venda de produtos ou contratação de serviços. A prática abusiva representa a atitude do fornecedor que age em vantagem excessiva em relação ao sujeito mais fraco que é o consumidor. As práticas abusivas mais comuns são a venda casada, a informação inverídica sobre falta de produto, o envio de produto não solicitado pelo cliente, a cobrança indevida de dívidas, a contratação de um serviço sem o orçamento prévio; a humilhação ou difamação; a falta de definição de prazo nas prestações de serviços; o reajuste de preço além da média e não entregar cupom fiscal após a compra ou contratação de serviços.

Dano moral no transporte coletivo

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou uma empresa de ônibus a pagar indenização por danos morais der R$ 5 mil para uma mãe que foi impedida de embarcar com seu filho, menor de idade e de colo, em viagem intermunicipal. O mais grave nessa situação é que a consumidora apresentou documentos da criança e mesmo assim o motorista a impediu de ingressar no ônibus, alegando que a criança não se parecia com a mãe, criando assim uma situação embaraçosa, além de impedir o exercício do direito ao transporte. A defesa da empresa alega que a mulher apresentou apenas a carteira de vacinação, sem a certidão de nascimento, porém, no dia seguinte ao fato, a mulher embarcou em ônibus da mesma empresa, com o filho no colo e portando apenas a carteira de vacinação, o que confirmou a falha do dia anterior. A decisão foi dada pela 3ª Câmara de Direito Civil do TJ-RS.

FRAGMENTOS

- A Proteste Associação de Defesa do Consumidor divulgou, no Rio de Janeiro, que ao realizar testes de segurança alimentar em quatro marcas de orégano e quatro de granola encontrou materiais estranhos acima do limite permitido, como fragmentos de insetos ou insetos mortos. Isso foi identificado nas marcas Kitano, Santa Cozinha, Kisabor e Hikari.
A legislação permite que, a cada 10 g do produto, possam existir 20 fragmentos de insetos, cinco ácaros, 20 insetos inteiros mortos (próprios do ambiente onde o alimento é cultivado) e, até mesmo, um fragmento de pelo de roedor.
- A Justiça determinou em Ação Civil Pública movida pela Associação de Consumidores Proteste que o BMG atenda “os pedidos de quitação dos débitos relativos aos contratos e portabilidade das operações de crédito, solicitadas pelos consumidores, nos prazos estabelecidos pelo Banco Central (BC)”. A decisão tem por base denúncias de consumidores de que o BMG estaria criando dificuldades para clientes que pretendiam antecipar o pagamento de prestações de financiamento concedidos pelo banco.
- Onde reclamar? O consumidor pode encaminhar as suas reclamações e denúncias em relação a direitos não assegurados nas relações de consumo ao Procon ou ao Balcão do Consumidor. Em Passo Fundo, o Procon está localizado na Av. Brasil, 758, centro, telefone 3584-1155, e-mail procon@pmpf.rs.gov.br ou ao Balcão do Consumidor, vinculado a UPF, que fica localizado na Av. Brasil, 743, Centro, telefone 3314-7660, e-mail balcaodoconsumidor@upf.br.

Gostou? Compartilhe