OPINIÃO

Bateria-botão é um risco para crianças

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Há algumas semanas, comentamos aqui em O Nacional sobre o recall realizado na Inglaterra que levou a retirada de milhares de coelhinhos da Páscoa de chocolate. O defeito apresentado no produto foi a presença de pequenas baterias, daquelas que são utilizadas em relógios e equipamentos eletrônicos e popularmente denominadas de baterias-botão. O mais grave é que a mesma empresa, a Co-op, já havia enfrentado o mesmo problema com chocolates vendidos para o Natal. O assunto é tão sério e embora tenha acontecido na Inglaterra, casos semelhantes podem se registrar no Brasil, daí a necessidade de retomar o tema. A cirurgiã neonatal e pediátrica Kate Cross, ao falar sobre o assunto em entrevista a um jornal britânico, esclareceu que este tipo de bateria deve ser tratada como veneno e mantida fora do alcance das crianças. Segundo a especialista, “se a bateria fica envolta na mucosa do esôfago, cria um circuito elétrico e a bateria simplesmente começa a funcionar, liberando um álcali similar à soda cáustica, que pode perfurar a parede do órgão e chegar até a traqueia. Se a bateria encontrar um caminho diferente, pode atingir a aorta, o principal vaso sanguíneo”. Há relatos de que uma criança sangrou até a morte na Grã-Bretanha depois de engolir uma dessas baterias. Outros casos de mortes e graves danos às crianças também foram registrados em vários países da Europa. Por isso, é necessário que os pais protejam suas crianças, verificando se os brinquedos entregues a elas correm o risco de liberar facilmente essas pequenas baterias, algumas do tamanho de botão de camisa.

Abusividade da multa de remarcação de passagem
Para o Tribunal de Justiça do Distrito Federal, é abusiva a multa para remarcação de passagem aérea que ultrapassa o valor da própria passagem. Com base nesse entendimento, que contempla os direitos e princípios assegurados no Código de Defesa do Consumidor, o TJ-DF mandou a companhia aérea devolver ao consumidor a diferença do valor pela remarcação de dois bilhetes aéreos. Nesses casos, não importa se o consumidor deu causa e foi o responsável pela perda do voo, a multa jamais pode ser abusiva e um parâmetro de identificação pode ser a comparação com o valor da passagem.

FRAGMENTOS

- Um lote do extrato de tomate da marca Quero, produzido pela Heinz Brasil, em Goiás, teve a sua distribuição suspensa pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Conforme a ANVISA, foi detectada "matéria estranha indicativa de risco à saúde humana, pelo de roedor, acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente". O lote interditado é o L 11 07:35.

- No Distrito Federal, uma Academia foi condenada a indenizar um consumidor que teve o celular furtado do interior do armário disponibilizado aos clientes. Em razão do contrato de consumo entre a Academia e o consumidor, entendeu o judiciário que a Academia é responsável pelos pertences levados pelo cliente ao estabelecimento comercial.
_________________________________________
Júlio é Professor de Direito da IMED, Especialista em Processo Civil e em Direito Constitucional, Mestre em Direito, Desenvolvimento e Cidadania.

Gostou? Compartilhe