OPINIÃO

Bólido

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um cronista deve estar atento aos fatos do momento; alguns deles têm conotação política, religiosa, social...Outros têm ressonâncias sentimentais puras, quase inocentes. Aos treze anos comecei a me interessar pelo futebol através dos olhos e das emoções de meu pai que era ferrenho torcedor do Guarani (Cruz Alta), Grêmio, Gaúcho (Passo Fundo) e Vasco da Gama. Em 7 de agosto de 1971 assisti a São Paulo e Grêmio, num sábado à tarde, Morumbi, o primeiro jogo do primeiro campeonato nacional, que foi vencido pelo Galo. Foi 3xO, dois de Hector Scotta (argentino) e um de Flecha (assim com ch). Logo do São Paulo de Pablo Forlàn, Gerson e Pedro Rocha. A gente tinha Jair, Beto Bacamarte, Torino, Loivo. Desse orgulho, de vencer fora de casa e de surpreender, brotou a paixão tricolor.


Essa semana vi Luan (camisa 7) e lembrei que ele disse que no Grêmio a camisa 10 é a 7. É verdade, recordei os notáveis número 7 tricolores a partir de 1970: Flecha, Carlinhos, Zequinha, Renato, Valdo, Paulo Nunes e Luan. Na seleção Ronaldinho iniciou coma 7. Mas, havia alguém deveras importante; na manhã seguinte a mídia noticiava a morte de Tarciso (José Tarciso de Souza, como dizia o efêmero treinador gremista, Paulo Lumumba), o Flecha Negra, 721 jogos com o manto tricolor. Lembrei imediatamente daquele jogo de 1972 onde, pelo América do Rio, ganhou em velocidade de Bibiano Pontes. Em uma de suas arrancadas fantásticas Armindo Ranzolin descrevera: Tarciso...como um bólido venceu seus marcadores...gol do Grêmio, gol de Tarciso, gol do Flecha Negra. Veloz, como um bólido, tipo Luis Mário, o papa léguas...nunca esqueci.


Conversamos (Tarciso e eu, num almoço do consulado aqui em Passo Fundo) sobre isso e outras histórias, como a omissão da comissão técnica da seleção para a copa da Argentina, quando Coutinho deixou de levá-lo e a Falcão, do Inter. Numa edição da Revista Placar do ano seguinte estava estampado na capa uma foto de Tarciso e mancheteava: esse era o ponta. Guardei-a por muitos anos.


A última vez que eu o vi em ação ao vivo foi no Olímpico e fiquei admirado pelo seguinte: Leão cobrava tiro de meta até o grande círculo para Batista; este, ao receber a marcação, atrasava a bola para De León que pisava na mesma e dava um comando e lançamento; os três atacantes, Renato, Caio e Tarciso partiam do meio de campo em alta velocidade, trocando de posições e confundindo a marcação. Valia mais que um gol ver a dinâmica de Valdir Espinosa. Era simples, era aplicável, era perfeito. Três velocistas aproveitados ao máximo de suas potencialidades e a partir disso ganhamos a Libertadores e o Mundial.


Na foto dessa semana, marcando os 35 anos da conquista do mundo, há Caio com as pernas amputadas ou o que sobrou delas, Renato e Tarciso não figuram; um estava no vestiário e o outro hospitalizado, morrendo fisicamente. Como escreveram, ganhou asas e a eternidade. Foi tudo muito rápido, partiu como chegou, como um bólido e ajudou a cravar o número 7 no coração da grande nação tricolor. Ídolo eterno, hora de descansar e, para nós, hora de recordar as nossas inocências num mundo cheio de mediocridades e de leviandades e agradecer pela tua luta e exemplo que honra a camisa tricolor.

Gostou? Compartilhe