OPINIÃO

Borboletas ou curiangos

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Não fosse a avalanche de suspeitas que pairam sobre o presidente da República Michel Temer, que jorram abundantes após a delação da JBS, os brasileiros estariam assimilando certa aura ao condutor da nação. Seus rituais sugeriam sabedoria republicana que o fariam, aos poucos, merecedor de crédito para ser tolerado. Ao se defender de acusação por envolvimento em propina, prevaricação ou obstrução ao processo judicial, questionou a validade da gravação feita pelo empresário Joesley Batista, em conversa velada. Expôs publicamente sua atitude alegando espantosa ingenuidade na conversa e a qualidade técnica das gravações. Ao mesmo tempo disse que não deu crédito aos fatos mencionados em relação à obstrução. Contrapõe acusações no campo da ampla defesa com sua habilidade de jurista. Em seguida vitupera contra pressão exercida pelo grupo JBS. E faz sua assertiva em tom de denúncia. Acusa o evento da gravação do tenebroso diálogo a manobra para obtenção de lucro com manipulação no mercado de ações e oscilação no dólar. Foi veemente e convicto, citando circunstâncias que mandou investigar. Com isso, cria situação estranhável diante do flerte que mantinha com o mesmo executivo criticado. A intimidade do presidente com Joesley vinha franqueando vezes de curiango (ave de hábitos noturnos). Temer qualifica como mero borboleteio. O autor da gravação adentrava com facilidade na porteira do Jaburu, na calada da noite. Nada contra a noite, mas a circunstância revela intimidade de tratativas. Teria o presidente, em plena efervescência das investigações da Lava Jato, com os segredos de Cunha ainda candentes, - o direito de ingenuidade em conversa de tão grave teor?  

Gravação em perícia

A gravação autorizada que mostra elementos da acusação de conluio contendo a voz de Temer, sem dúvida, apresenta imperfeições técnicas. A fricção do microfone escondido interfere, e o bolso interno do casaco impede a boa captação. Além disso, o perito particular contratado pela defesa de Temer, Ricardo Molina, parece lépido em parecer destinado à desqualificação da gravação, por conta de edição da fita original. A peça, no entanto, é gravação real, e será submetida a perícia.  O chefe da Perícia da PF em Curitiba, Fábio Salvador, diz que o incidente da perícia particular é “humilhação”. O STF aguarda resultado da perícia oficial, mas até Michel Temer admite autenticidade de trechos importantes. Dificilmente desmorona o contexto de prova, já que a fita em avaliação é fato real complementar.

Diretas

O desfecho dos episódios em torno da permanência ou não do presidente Temer no cargo antecipa o debate sucessório. Várias hipóteses, inclusive a continuidade do atual governo. Em caso de renúncia ou deposição, a Constituição prevê eleição indireta. Aí reside um grande problema que afeta a legitimidade do parlamento. Isso também é gravíssimo, já que os expoentes do legislativo também são acusados em grande número. A modificação constitucional para eleição direta não é simples. O movimento “Diretas, já” tem simpatia popular. Há quem tema o voto popular que pode surpreender qualquer dos grupos hegemônicos. Medo do povo prova a necessidade deste aval democrático. Afinal, tantos erros dos comandos da plutocracia permitem pensar que o voto direto ainda é o melhor.

Retoques:

  • Está demais o envolvimento de ministros e assessores no atual governo, inclusive os mais próximos.
  • É muita maçã podre no centro do poder. Não tem graça nenhuma a devolução da mala com mais de 400 mil dólares. O deputado Rocha Loures ainda deve explicar a falta de 35 mil.
  • Diplomado pela UPF e tendo atuado em nossa comarca, o promotor Fabiano Dalazen assume a coordenação do Ministério Público do Estado. Desde os bancos acadêmicos revelou liderança e competência.
  • Inglês com música é aula fabulosa na TV Cultura, todos os dias, com a cantora e apresentadora Amanda Costa e a professora Marisa Leite Barros. 
Gostou? Compartilhe