OPINIÃO

Brasil: escolhas, oportunidades e muita esperança

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Relatório Global de Competitividade 2017-2018 publicado esta semana pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria com a Fundação Dom Cabral, constata uma evolução no aspecto institucional brasileiro, sobretudo com o combate à corrupção e liberdade do poder judiciário. Os primeiros passos rumo às reformas e simplificações regulatórias são também parte dos avanços que permitem ao Brasil oferecer um ecossistema mais propício à inovação – condição fundamental para a retomada do crescimento econômico e do desenvolvimento social.

Com base em dados estatísticos e em uma extensa pesquisa de opinião realizada com mais de 14.000 executivos em todo o mundo, o Relatório Global de Competitividade evidencia que dez anos após a maior crise financeira da história do capitalismo, o mundo começa a dar sinais de recuperação. A expansão atual é de caráter cíclico, impulsionada por taxas de juros muito baixas e não por mudanças em fatores estruturais relevantes. Ainda que os patamares de crescimento da produtividade, de investimento e de emprego não retornaram aos níveis anteriores a 2008, uma nova realidade se constitui. 

Com a participação de 137 países, o ranking global de competitividade liderado pela Suíça, Estados Unidos e Cingapura apresenta o Brasil na 80a posição. Apesar de um ganho tímido de uma posição, o país avança comparativamente a outros em pontos chaves para retomada do crescimento e desenvolvimento. Encerra assim uma longa tendência de queda e dá sinais de recuperação econômica e competitiva.

A gradativa recuperação econômica é absolutamente relevante, bem como a reversão da trajetória de perda de competitividade do país. Ao mesmo tempo em que há motivo para otimismo, é dever reconhecer o quão distante o Brasil está das economias mais desenvolvidas do mundo, sobretudo em produtividade e intensidade tecnológica.

O relatório aponta algumas oportunidades, as quais podem ser convertidas em ganhos reais de competividade nos próximos anos. Destacamos: 1) Flexibilização trabalhista: A aprovação da reforma trabalhista marca uma nova era no regime regulatório brasileiro, com o potencial de levar ao desafogamento da justiça do trabalho e simplificação das relações trabalhistas. Com a ampliação das possibilidades de negociação e a flexibilizações de questões como jornada e tempo de trabalho, espera-se que a produtividade aumente, assim como os salários no médio prazo.

Cabem às empresas brasileiras compreenderem e trazerem para dentro de seus negócios as novas regras para que a partir dela seja extraídos maiores benefícios desse novo regime, em sintonia com as novas tecnologias. 2) Parcerias público-privada: Ainda que a crise política e econômica limite as possibilidades de ação e articulação do Estado brasileiro, abrir espaço para um novo modelo de relações público-privado significa uma necessidade. Mecanismos como privatizações e licitações podem permitir a redução de custos por parte do governo, desafogamento da máquina pública e incentivo para a entrada de novos players na oferta de atividades e funções até então exclusivas do Estado. Seja quais forem as áreas e regras pelas quais essa parceria venha a se intensificar ou se estabelecer, constitui-se uma oportunidade impar para ganhos estratégico e competitivos para a economia brasileira. 

Nos indicadores de saúde e educação primária, foi registrado uma alta de duas posições. Tal movimento é explicado sobretudo pelo aumento da taxa de matrícula na educação básica para 92,7% (aumento de 8 colocações), enquanto a qualidade de ensino permanece estável na 127a posição. No grupo de indicadores considerados potencializadores de eficiência, o país avançou timidamente em alguns subfatores, e comparativamente ainda permanece estagnado.

No pilar educação técnica e superior o Brasil avançou seis posições movido por melhorias em subfatores, tais como qualidade das escolas de negócios (ganho de 4 posições), maior disponibilidade de serviços de treinamento (+6 posições) e acesso à internet em escolas (+3 posições). Houve, contudo, decréscimo significativo na taxa de inscrição de alunos do ensino médio (-12 posições) e ensino superior (-3).

No momento em que a retomada da economia parece estar no horizonte brasileiro, os dados da pesquisa da Fundação Dom Cabral com o Fórum Econômico Mundial, trazem a grande oportunidade para o conjunto da sociedade brasileira refletir sobre o seu futuro. Cabe aos poderes públicos em todas as esferas, a sociedade civil organizada encontrarem e estabelecerem consensos sobre as oportunidades, escolhas e o tamanho da esperança que podemos ter com nossa Nação.

Fonte: Fundação Dom Cabral/ Fórum Econômico Mundial

Gostou? Compartilhe