Burocracia atrapalha atendimentos do Samu

Chamadas são encaminhadas a Porto Alegre para liberação das viaturas

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando uma jovem caiu no chão na rampa de uma balada no centro de Passo Fundo, na madrugada de sábado (13), os ânimos se exaltaram. Com a pancada, sua cabeça começou a sangrar, fazendo uma das seguranças, que disse ter curso de primeiros socorros, a pedir que os curiosos acionassem o Serviço de Atendimento de Urgência (Samu) e abrissem espaço para que o ar pudesse chegar à vítima. 

 

A cena foi flagrada pela reportagem que tentou contato com o serviço de urgência. Ao telefone, a ligação foi transferida para um médico, que por duas vezes não atendeu. Sem resposta rápida do serviço, a vítima teve de ser levada a um hospital do município no carro particular de uma mulher, que se identificou como médica no local. A reportagem não conseguiu o nome da vítima nem sua idade.

 

Questionada na tarde de ontem (16), a secretaria do Estado da Saúde, com sede em Porto Alegre, disse que não poderia comentar o caso específico por não ter os dados pessoais da jovem. Também disse que responderia as demandas da reportagem apenas nesta quarta-feira (17).

 

“A demora tem a ver com a regulação”
Segundo a secretária de Saúde de Passo Fundo, Carla Beatrice Gonçalves, as ligações ao Samu são encaminhadas a Porto Alegre onde funciona um sistema chamado regulação. Carla explica que é neste primeiro contato em que são informados os dados do caso, para avaliar a necessidade do deslocamento de uma viatura.

 

“Lá tem uma série de profissionais que fazem a regulação. Eles conversam com a pessoa e, a partir dessa conversa, é que vão definir a necessidade de uma viatura de uma equipe do Samu se deslocar para o local. O que está havendo demora, o que pode haver demora, é quando se liga para o 192 [número do Samu], e precisa passar para os profissionais da regulação”, justifica a secretária.

 

De acordo com Carla, após esse contato e, diante da necessidade de uma ambulância, um pedido de atendimento é enviado via sistema de smartphone para os profissionais locais que fazem o deslocamento.

 

Dez profissionais para a cidade
Em Passo Fundo, o Samu conta com apenas dez profissionais para o Samu, que tem apenas duas viaturas. São quatro condutores, cinco técnicos de enfermagem e uma enfermeira, que também é responsável técnica pelo serviço. As equipes trabalham em duplas em plantões de 12 por 36 horas.


Também não há médico no Samu local, mas, de acordo com a secretária, isso não afeta o serviço. “Temos uma equipe de suporte básico no Samu. Mas como temos uma rede de hospitais que consegue rapidamente atender as pessoas, [a equipe] não é muito pequena por que consegue atender as demandas que tem.”


Uma licitação deve ser aberta em breve para a aquisição de uma nova viatura. A secretaria reconheceu que já aconteceu dos dois veículos estarem com problemas e o sistema de saúde ter que deslocar as suas para o atendimento. Um novo local sede também está em estudo.


Apesar da secretária negar problemas devido ao baixo efetivo, informações obtidas pelo O Nacional, a rebatem.


“Toda a demora de atendimento prejudica de alguma forma a vítima até mesmo deixando grandes sequelas ou até mesmo perdendo a mesma”, aponta. Segundo essas informações, a contratação de mais funcionários e a aquisição de mais ambulâncias contornariam o problema, na cidade em que a media de atendimentos é de 10 por dia, pelo serviço.

 

Gostou? Compartilhe