Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite começou no sábado

A meta é vacinar mais de 11 mil crianças até o dia 21 de junho

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sábado, 8, foi o Dia “D” de vacinação contra a poliomielite. O dia marca o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite. A campanha é uma promoção no Ministério da Saúde, juntamente com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e segue até o dia 21 de junho. A meta, em Passo Fundo, é imunizar 11.584 crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos. 

De acordo com o Secretário de Saúde, Luiz Artur Rosa Filho, a poliomielite é uma doença extremante grave, mas que está erradicada do Brasil há 25 anos, graças às sucessivas campanhas que vacinação que, em geral, atingem de 90 a 95% das crianças.

A gotinha, como é conhecida a vacina, faz parte do calendário básico de vacinação. As duas primeiras doses – aos dois e aos quatro meses – do esquema com a vacina inativada poliomielite (a VIP), são injetáveis. Já a terceira dose (aos seis meses) e o reforço (aos 15 meses) continuam com a vacina oral.

Se a criança menor de cinco anos nunca tiver tomado nenhuma contra a poliomielite, não tomará as gotinhas neste momento. Deverá iniciar o esquema vacinal com a injetável. Por esse motivo, o Ministério da Saúde recomenda que os estados e municípios disponibilizem também a injetável nas suas unidades básicas de saúde, embora nesta campanha sejam utilizadas as duas gotinhas. O objetivo é evitar que crianças que estejam com o esquema vacinal contra a poliomielite atrasado percam a oportunidade de vacinação.

Vale lembrar que não existe tratamento para a poliomielite e somente a prevenção, por meio da vacinação. A vacina protege contra os três sorotipos do poliovírus 1, 2 e 3. A eficácia da imunização é em torno de 90% a 95%. Ela é recomendada mesmo para as crianças que estejam com tosse, gripe, coriza, rinite ou diarréia.

A vacina é extremamente segura e não há contra-indicações, sendo raríssimas as reações associadas à administração da mesma. Em alguns casos, como, por exemplo, em crianças com infecções agudas, com febre acima de 38ºC ou com hipersensibilidade a algum componente da vacina, recomenda-se que os pais consultem um médico para avaliar se a vacina deve ser aplicada.

Gostou? Compartilhe