Canola começa a colorir lavouras da região

Cultura teve alguns prejuízos em função da geada, mas expectativa de rendimento ainda é boa. No Paraná, danos foram mais acentuados

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nas lavouras da região já é possível encontrar o espetáculo de cor proporcionado pelas flores da canola. Com cerca de 55% da área plantada na região florida a expectativa continua sendo de boa produtividade. As geadas ocorridas no final de julho causaram poucos prejuízos, localizados principalmente nas áreas mais baixas das propriedades rurais. No Paraná, por outro lado, os danos causados foram maiores principalmente devido a falta de luminosidade que prejudicou o desenvolvimento das plantas.

De acordo com os dados do último Informativo Conjuntural divulgado pela Emater Regional de Passo Fundo cerca de 45% da cultura ainda encontra-se em fase de desenvolvimento vegetativo. A geada que atingiu algumas propriedades causou o abortamento de flores e secou folhas, mesmo assim o potencial de produtividade é estimado em 1.800 quilos por hectare. O preço da saca de 60 quilos de canola é balizado pelo preço da soja, em torno de R$ 58.

Clima
O pesquisador da Embrapa Trigo e especialista em canola Gilberto Omar Tomm explica que as condições climáticas para o trigo e para a canola são parecidas. No entanto as diferenças existentes entre o período de plantio e de colheita entre as duas culturas é que pode causar resultados diferentes na safra de cada grão. A canola é plantada mais cedo em relação ao trigo e pode, por exemplo, ficar exposta a condições adversas nesse período que não prejudicariam o trigo. A oleaginosa também é mais resistente a estiagem devido as raízes profundas que são características.

Na opinião do pesquisador a canola não compete com a triticultura. “Ela reduz as doenças do trigo e do milho. É importante a diversificação da produção até porque com muita frequência há problemas de comercialização para o trigo e a canola não tem dificuldade”, compara esclarecendo que a oleaginosa de inverno ainda é uma boa opção para rotação de cultura.

A matéria completa você confere nas edições impressa e digital de O Nacional.  Assine Já

 

Gostou? Compartilhe