OPINIÃO

Carência dos planos de saúde

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) publicou a Súmula n.º 357, definindo que a cláusula contratual de plano de saúde que prevê carência para utilização dos serviços de assistência médica nas situações de emergência ou de urgência é considerada abusiva se ultrapassado o prazo máximo de 24 horas contado da data da contratação. A Súmula de um Tribunal é um verbete que registra a interpretação pacífica ou majoritária adotada por um Tribunal a respeito de um tema e que serve como parâmetro de decisão pelos órgãos do judiciário.

COMBUSTÍVEIS SOBEM
O preço dos combustíveis disparou no Brasil e preocupa consumidores. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP) o preço médio da gasolina está em R$ 3,938 por litro, mas em muitos postos de combustíveis do país, inclusive em Passo Fundo, os preços estão acima deste patamar, ultrapassando os R$ 4,00. Em alguns, o preço está bem acima deste valor. A Petrobrás autorizou alta de 2,3% para a gasolina e aumento de 1,9% para o diesel nas suas refinarias, devido principalmente ao aumento das cotações dos produtos e do petróleo no mercado internacional. O grande problema neste setor, segundo os órgãos de defesa do consumidor é a falta de poder de fiscalização e os meios de enfrentar aumentos generalizados. Esse talvez seja um dos pontos principais a serem tratados pelo Código de Defesa do Consumidor que passa por análise no Congresso Nacional. A reforma do CDC é necessária e precisa encontrar meios de coibir abusos no preço de produtos na ponta, quando são ofertados ao consumidor, especialmente quando se tratam de produtos ou serviços cujo preço é determinado por órgãos públicos ou empresas públicas.

PROPAGANDA ENGANOSA

Por conta de “propaganda enganosa” a empresa Mondelez, responsável pela fabricação dos sucos Tang, foi condenada pelo Ministério da Justiça a pagar multa de R$ 1 milhão. Conforme informou a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão que integra o Ministério da Justiça, a multa foi aplicada porque as embalagens do Tang referem que o suco “não contém corantes artificiais”, o que, propositalmente, leva os consumidores a acreditarem que se trata de produto natural. A multa também levou em consideração o fato de que as embalagens omitem informações sobre a presença de outros corantes. Para o órgão governamental isso é caso de “má-fé objetiva” porque dá aos consumidores informações que podem levá-los a comprar os produtos, mas deixa de informar o que poderia influenciá-los a não comprar. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União no dia 10 de novembro.

NEGATIVAÇÃO DE DEVEDOR
A lei determina que a inscrição de devedor em banco de negativação de crédito só pode ocorrer após a notificação do consumidor. O assunto é tratado no capítulo destinado aos Bancos de Dados e Cadastros de Consumidores no Código de Defesa do Consumidor que estabelece que “a abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele”. A comprovação da notificação é fundamental nesses casos para evitar responsabilidade da empresa em eventual pedido de indenização por danos morais.
________________________________________
Júlio é advogado, Especialista em Processo Civil e em Direito Constitucional; Mestre em Direito, Desenvolvimento e Cidadania.

 

Gostou? Compartilhe