OPINIÃO

Cartas na rua

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em que pese o grande número de midias sociais disponíveis na rede mundial de computadores, que permitem a comunicação instantanea com qualquer parte do planeta, muitos ainda utilizam o tradicional serviços dos Correios. Escrever uma carta, envelopar, endereçar e postar ainda continua sendo uma prática para muitos. Pode não ser para os mais jovens, mas até eles recebem periódicamente revistas, cartões de crédito e débito, faturas, catálogos e encomendas nacionais ou internacionaiss pelas mãos dos carteiros. E a sensação é a mesma.

 I I
Na década de 1980, durante  a graduação na UPF, trabalhei nos Correios após aprovação em concurso. As lembranças daqueles longos oito anos ainda estão muito presente. Foi nesta época que  iniciei uma coleção de selos. As reuniões do Clube Filatélico de Getúlio Vargas eram mensais. O primeiro a chegar era sempre o comerciante e colecionador Johann Franz Nagl, acompanhado do amigo e engenheiro Paulo Campos Predebon. Eram encontros agradaveis compartilhados também com outros filatelistas dentre os quais Fabiano Schirmbeck, Glauber Serafini, Evelyn Uthermohl, José  Tadeu Guedes de Souza e Arnildo Neuwald.

 I I I
A pauta desta coluna foi inspirada num fato ocorrido a poucos dias e que provocou muitas reflexões. O carteiro Jonas Domingos Tumelero realizava sua faina diária pelos logradouros da cidade quando se deparou com uma situação inusitada numa residência da Rua Eduardo Barreto Viana, próxima da Creche Municipal. O costumerio cumprimento ao morador de uma casa não foi respondido. Como de praxe ele estava sentado na cadeira de balanço mas algo estava errado. O homem estava enfartando e imediatamente o carteiro acionou familiares que o levaram até o Hospital São Roque onde foi atendido.

 I V
Situações semelhantes ocorrem diariamente nas diferentes cidades brasileiras e nem sempre são reveladas. No exato momento em que a campanha dos candidatos a presidência da República e dos governos estaduais, onde a as eleições não foram definidas no primeiro turno  tem sido marcado por ataques mutuos, é preciso lembrar que a grande maioria dos anônimos brasileiros cumprem com zelo suas funções. O exemplo do carteiro Jonas é um deles, e segue os deixados pelo saudoso Stanislau Bielski, que recebeu da Diretoria da ECT/RS o título de Carteiro Padrão.

Curtas:
# O fato de Caxias do Sul não ter eleito representante para a Assembleia Legislativa não passou desapercebido.
# Diferentemente do município serrano, o segundo maior colégio eleitoral do RS, cidades pequenas reelegeram ou elegeram representantes.
# Foi o caso de Tapejara, Sertão e Paulo Bento, com a reeleição dos deputados Gilmar Sossella (PDT), Gilberto Capoani (PMDB) e Altemir Tortelli (PT), respectivamente.
# Duas lideranças de Marau, Vilmar Zanchin (PMDB) e Sérgio Turra (PP), foram eleitos para um primeiro mandato no Palácio Farroupilha.
# O PP de Erechim e do Alto Uruguai se empenhou mas não conseguiu eleger José Mantovani .
# Além de Mantovani outros sete candiatos de municípios da região no tiveram exito em cinco de outubro.
# Leandro Basso (PcdoB), de Erechim, fez 5.305 votos e seu compenheiro comunitsta Santarém, de Áurea, 3.400 votos.
# De Campinas do Sul, Ale Dal Zotto (PSB) recebeu 6.492 votos, e Antônio Sobis (PSL), de Erechim, apenas 580 votos.
# Do PSC, Divalino Tasca, de Aratiba, contabilizou 1.714 votos, e Polaco dos Radiadores (PL), de Erechim, 1.176 votos.
# De Marcelino Ramos, Flávio Xavinha Dutra (PTB) recebeu 2.379 votos.

Dito & Feito:
O promotor André Luiz Tarouco Pinto, da Cômarca de Getúlio Vargas, esteve em Ipiranga do Sul para uma reunião com lideranças locais. Além de esclarecer diversas dúvidas quanto a Rede de Apoio à Escola (RAE), foram discutidas sua importância, a educação inclusiva, o papel da família na educação dos filho, do Conselho Escolar e Brigada Militar. O promotor chamou a atenção sobre al indiciplina, a relação dos adolescentes com o álcool e drogas e pediu atenção sobre o uso das redes sociais. O encontro foi coordenado pela professora Vanderlei Zem Pasqualotto, da Secretaria Municipal de Educação.
 

 

Gostou? Compartilhe