OPINIÃO

Causou

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Minha crônica anterior referiu Cortella que distribui a vida em 3 fases: construção, produção e destruição. Construção até os 25 (formação de corpo e mente), produção até os 50 (onde perdemos o nome em troca dos 11 números do CPF e vendemos nossas vidas em troca de grana) e depois dos 50 em que entramos no debacle, vamos perdendo a significância. Essa opinião do filósofo-professor-escritor Mario Sergio Cortella causou debates. Alguém disse que a fase da produção é eterna e que a busca do conhecimento e autoconhecimento não tem limite temporal; alguém também argumentou que a fase da destruição independe da temporalidade porque muitos ficam velhos perto dos 40 anos e muitos são extremante jovens mesmo após os 80, verdade também. Nessa fase da senescência sem senilidade a gente vai tentando entender a nosso papel no mundo e, sobretudo, tentar saber o que viemos saber e o que vamos deixar. O mesmo Cortella sustenta que o grande erro é a depressão por percebermos não ser imortais. O homem busca enganar a morte e busca a imortalidade, bem explicitada no romance sobre o deus fenício Gilgamesh. Na contemplação da melhor idade descobrimos que o lance não é a busca da imortalidade, ela não está no nosso alcance. O lance é a busca da eternidade, busca essa que passa a justificar nossos atos no cotidiano. Morreremos fisicamente, está exposto que assim será democraticamente a todos. Mas, o que fazemos na trajetória ou o que deixamos de fazer ficará na memória ou será imediatamente deletado.


A fase da produção ou do trabalho ou, ainda, do CPF em busca da grana é que suscitou mais debates. Alguém me cutucou escrevendo que o homem que entende como peso o seu labor deve ter feito uma péssima escolha profissional e que é por isso, infeliz. O que Cortella quis dizer é que o trabalho geralmente nos afasta demais de nossos familiares, que não damos atenção merecida aos filhos, que dispomos a eles mergulharem em seus computadores e não percebemos que nossas ausências empestam solidão e frustração a geração que aí está.


Dia desses numa palestra sobre filosofia-vida-espiritismo para profissionais liberais eu falava sobre isso quando fiz uma pergunta em que induzi as respostas. Perguntei: doutor, o que o senhor é? Advogado, respondeu. O outro, engenheiro...empresário...dentista. Aí perguntei: em uma palavra, o que é mais importante pra o senhor? Todos responderam: a família. Então, arrematei: se a família é o mais importante por que quando eu perguntei o que o senhor é, o senhor respondeu o que faz. Poderia ter respondido: sou pai, sou marido. Respondeu o que faz porque a gente parece ser o que faz profissionalmente. Vendemos nossos melhores anos ao dinheiro e quando o tivermos ela não devolverá o brilho dos olhos, a cadência das artérias, o preto dos cabelos e nem o gosto pela vida. E o pior, estaremos sós, nossos filhos não estarão por perto. Cortella pode não estar certo 100 por cento, é óbvio, quem está? Mas, é de se pensar no assunto, se você tiver tempo para isso, é claro.

Gostou? Compartilhe