OPINIÃO

Coluna Meneghini

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Roupa suja se lava jato em casa
O procurador geral da República Rodrigo Janot, acompanhado por uma equipe de procuradores, viajou aos Estados Unidos para contatar com autoridades e empresas de negócio ligadas à Petrobras. A missão, certamente, é tomar conhecimento de fatos e documentos, visando agilidade no inquérito Lava Jato. A incursão também funciona como postura recomendável relacionada ao dever da autoridade brasileira, atenta ao velho adágio popular de que roupa suja se lava em casa. É previsível que os instrumentos de investigação nos EUA sejam mais velozes, também por mais específicos de parta das transações temerárias que atiçaram a investigação para a enorme teia de corrupção que contaminou os rumos da Petrobras. Ao recolher a trouxa de roupa suja espalhada nos escaninhos dos escritórios da estatal, a postura é entendida como aceleração de uma resposta para elucidar o maremoto de denúncias e resgatar seriedade. Se não fosse assim, estaríamos muito expostos às surpresas diante da investigação norte-americana gerando mais intensa vergonha para nossas instituições brasileiras. Saliente, portanto, a expectativa de competência e austeridade em relação às denúncias, para a transparência do processo, que ainda pende de algumas revelações. A atitude deve, ainda, dar maior segurança à denúncia, evitando-se acusações infundadas que atrapalham e maculam nomes indevidamente arrolados. Não está descartada, contudo, a possibilidade de, em meio a tanta roupa emporcalhada, encontrar-se a cueca original disso tudo. Com perdão da disfemia, é uma m... federal, que não adianta tentar esconder.

Dos efeitos
No episódio de corrupção na Petrobras temos vários efeitos danosos. O roubo, a redução de investimentos com retirada de terceirizadas em projetos e o desemprego. A imagem da empresa deve receber uma nova pintura, depois de jatos de responsabilização e punição. É bom lembrar que a Petrobras é o grande trunfo brasileiro, os quadrilheiros que assaltaram seus cofres é outra coisa.

Cara de bandido
Alguns vícios, ou falta de decoro ainda permeiam expressões de oriundos dos cursos de comunicação que não alertaram alunos para o perigo da linguagem discriminatória. Há casos de alusão preconceituosa em sites renomados. Exemplo é a narrativa de um assalto praticado por quatro pessoas, “um deles branco”. Noutra notícia a mesma conotação velada: cidadão foi atropelado por uma Mercedes. Como se o carro fosse uma personagem indefectível. E mais, o escrevente lançou cortina de fumaça sobre o cerne da questão, pois o motorista (rico) estava bêbado e em alta velocidade. Pois é! Não importa se rico ou pobre: bêbado é infrator bêbado. Neste caso, a ênfase descritiva do fato, nem tão subjetiva, e mais revela a falta de bom senso de quem escreve. Ainda temos o estigma policialesco e a influência lombrosiana pesando sobre agentes da opinião.

Retoques:
* Recomenda-se a leitura da síntese literária publicada em ON, sobre a tragédia de Auschwitz (há 70 anos), do professor José Ernani. Por todas as razões é uma preciosidade.
* O marrento presidente da Venezuela agrava a situação com mais um erro de foco. Além da crise pela falta de alimentos que sempre atormentou o país, agora cresce a censura aos órgãos de imprensa. El Universal e Últimas Notícias estão sob pressão velada. O jornalista é o primeiro a ser demitido, mas leva a informação, a mágoa e a revolta. El Nacional ainda mantém espaço de crítica ao governo Maduro, mas foi ameaçado por ministro que supostamente é ligado ao tráfico. Com a queda na cotação do petróleo, a riqueza Venezuelana, o presidente fica sem dinheiro. E já está Maduro demais.
* Ficou famoso pela habilidade em furar a fila como esperteza. Nem era considerado sujeito ruim, até simpático. Um dia não pode jactar-se de furar a fila. Passou na frente de todos na emergência do SUS. Não voltou com vida. Foi sua última façanha.

 

 

Gostou? Compartilhe