Comércio: convenção coletiva é prorrogada até julho

Com o acordo provisório, lojas podem abrir no feriado de Corpus Christi

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Sindicato dos Comerciários e Sindilojas prorrogaram a convenção coletiva até 1º de julho, quando devem voltar a negociar. O acordo foi estabelecido em nova reunião das entidades, na manhã de terça-feira (18). Os dois sindicatos têm assembleias agendadas para o dia 27 de junho. Com o acordo provisório, as lojas do varejo podem abrir as portas no feriado de Corpus Christi, na quinta-feira (20), já que com a prorrogação fica valendo direitos e deveres de ambas as partes.


Na avaliação do presidente do Sindilojas, Jefferson Kura, a negociação avançou desde o início das conversas. Porém, ainda há alguns pontos de impasse. Um desses pontos é justamente a questão do trabalho em feriados. Outras questões trabalhistas também geram divergência, como a homologação das rescisões serem feitas, obrigatoriamente, no sindicato dos trabalhadores.
Conforme Kura, com a Reforma Trabalhista o Sindilojas gostaria de fazer algumas alterações na convenção coletiva. O objetivo, de acordo com ele, é “modernizar [as relações trabalhistas] e não acabar com privilégios dos trabalhadores”. Já o Sindicato dos Comerciários defende a manutenção de todas as cláusulas da convenção firmada no ano passado.


Protestos
O assunto ganhou destaque nas últimas semanas depois que funcionários da Havan foram até a sede do Sindicato dos Comerciários para cobrar agilidade na negociação da convenção, que havia vencido em 31 de março. Eles cobravam a manutenção dos direitos e a possibilidade de trabalhar em feriados sem que a empresa fosse multada por isso.

 

O que diz a convenção coletiva
O que foi firmado na última convenção coletiva prevê duas possibilidades. A primeira é para as empresas que desejam abrir em feriados com exceção de quatro: Dia do Trabalhador, Ano Novo, Natal e Páscoa. Para essa modalidade, o salário dos trabalhadores é mais alto, de R$ 1.450. A segunda situação é para os lojistas que fecham as portas em sete feriados: Revolução Farroupilha, Finados, Natal, Ano Novo, Dia do Trabalhador, Domingo de Páscoa e Sexta-feira Santa. Para estes comerciantes, o piso ficou em R$ 1.270. Os valores de reajuste salarial estão em negociação. 

Gostou? Compartilhe