OPINIÃO

Como auxiliar o desenvolvimento da linguagem do meu filho?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Incontestavelmente somos seres que nascemos para falar. Contudo, adquirir a linguagem implica em ter um modelo de fala a imitar, ou seja, interlocutores. É através das interações do meio em que vive, que a criança constitui sua linguagem. As pessoas com quem a criança convive têm papel fundamental no desenvolvimento de suas habilidades linguísticas.
Importante evitar a “superproteção”, pois ao agirem no lugar do filho, acabam limitando oportunidades para que desenvolvam suas habilidades, dentre elas, a linguística. A presença diária e constante também ajuda. Pais demasiadamente ocupados, com muitos compromissos, acabam por diminuir a atenção para as crianças, o que pode implicar numa redução de fala. Ainda neste contexto, pais precisam ter energia para interagir e brincar com seus filhos.
O rosto humano, o som da fala e o contato físico atraem a criança ainda bebê. Neste sentido, é importante garantir proximidade, falar de frente com o bebê, brincar de emitir sons, manter contato ocular e aguardar respostas que, no início, serão sons onde o sentido será atribuído pelo interlocutor, o papai e/ou a mamãe.
É interessante dar nome às coisas de modo natural, induzindo o aumento do vocabulário e o uso de palavras novas. Não use linguagem complexa, com muitas informações ao mesmo tempo. E fique atento para observar tentativas de comunicação, mesmo as não verbais, como olhares, gestos, mímicas, etc.
Além disso, crie situações para que a criança inicie a comunicação; siga as iniciativas da criança: compartilhe a atividade, responda, coloque-se no mesmo nível físico dela (abaixe-se na altura de seus olhos). Fale sobre o que está acontecendo e faça perguntas sobre acontecimentos recentes. Tenha entusiasmo e prazer na conversa.
Brincadeiras com imitação estimulam a interação. Proponha sons, gestos, palavras para serem imitados. Nomeie objetos que a interessam e chamam a sua atenção. E nunca a force a falar. Falar, acima de tudo, deve ser prazeroso e envolver espontaneidade.
Evite tomar sistematicamente a iniciativa na fala. Não teste as habilidades da criança com ordens e perguntas. A criança sabe quando está sendo avaliada. Não interrompa os silêncios que correspondem ao tempo de espera para iniciar a comunicação, pois pode acabar falando pela criança. Parece bobagem, mas cuide para não falar em excesso sem dar tempo para a criança responder ou tomar a iniciativa. Ressalta-se também não estender o uso de chupetas e mamadeiras além dos dois anos. Ambos interferem na musculatura responsável pela fala, além de infantilizar o comportamento da criança.
Crianças em condições evolutivas favoráveis tendem a falar as primeiras palavras isoladas perto do primeiro aniversário. Próximo aos dois anos, juntam duas palavras (geralmente verbo e substantivo). E aos três anos de idade já produzem frases longas e contam histórias. Fatores como o ritmo de desenvolvimento de cada um, diferenças na estimulação, condições emocionais e de maturidade, além da hereditariedade e algumas patologias, influenciam no tempo de aquisição da linguagem.
Se você tem dúvidas quanto ao desenvolvimento linguístico do seu filho, procure um fonoaudiólogo. A intervenção precoce pode fazer a diferença. Atrasos no desenvolvimento linguístico podem resultar em futuros problemas de aprendizagem na escola. Entre quatro e cinco anos a criança já deve ter adquirido todos os sons da língua portuguesa, expressar-se com clareza e segurança.

Gostou? Compartilhe