Crime ambiental no Bosque Lucas Araújo

Denúncia feita pelo Gesp ao Ministério Público envolve Área de Preservação Permanente (APP)

Por
· 1 min de leitura
Imagem mostra a remoção de vegetação de sub-bosque, o barramento de curso hídrico com pedras e início da construção de uma área de lazer

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (Gesp) encaminhou denúncia de crime ambiental no Bosque Lucas Araújo ao Ministério Público Estadual. A denúncia envolve agressões em Área de Preservação Permanente (APP) com nascentes contribuintes do arroio São Roque, que deságua na bacia hidrográfica do Rio Jacuí. O Ministério Público deverá investigar o caso.

A área agredida está localizada na divisa entre o Bosque Lucas Araújo e o loteamento Dom Rodolfo. O Gesp constatou o corte de árvores nativas e xaxins (espécie dicksonia sellowiana, ameaçada de extinção), abertura de trilhas, remoção de vegetação de sub-bosque, barramento de curso hídrico com pedras e vestígios de fogo. Além disso, foi encontrado o início de uma construção de área de lazer. O grupo ecológico também realizou vistorias no local com o Batalhão Ambiental da Brigada Militar. “Foi desviado o curso de nascentes formadoras e tributárias do arroio São Roque, feito o barramento da água, cortes de xaxins, árvores de pequeno porte e taquaral. Foram abertas pequenas clareiras e fizeram fogo no local”, revelou o integrante do Gesp, Paulo Fernando Cornélio.

A agressão na APP é considerada de extrema relevância e, por esse motivo, o Gesp solicita providências da Promotoria de Justiça Especializada para este crime ambiental. “Essa atitude pode assorear e comprometer a quantidade de água para o recurso hídrico. Nossa intenção é controlar a situação agora, antes que situações ainda mais agravantes aconteçam no local”, ressaltou o integrante do Gesp. No local também foram encontrados muitos focos de lixo. O grupo ecológico pretende agendar uma reunião com o Ministério Público para solicitar mais rigor na fiscalização ambiental do bosque por parte dos órgãos fiscalizadores municipal e estadual.

 

Gostou? Compartilhe