OPINIÃO

Crise na exportação

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os representantes brasileiros defendem com unhas e dentes a qualidade dos produtos de origem animal, em Genebra, Oriente Médio e em todos os eixos consumidores internacionais. É lógico deduzir que os grandes grupos da carne, bovina, suína e aves, tem cuidados desenvolvidos ao longo do tempo. O combate aos focos de irregularidades, ditos apenas pontuais, ganhou repercussão mundial. O que preocupa a economia brasileira neste momento surpreendente é a crise logo no setor mais sólido de nossa produção, que é de alimentos. Nisso repousa a projeção do país como potência de muitas riquezas no comércio internacional. Questiona-se, com bases em defeitos graves flagrados pela Polícia Federal, principalmente no setor de embutidos. É preciso mencionar que o Brasil não precisa abrir mão do rigor fiscal na oferta de produtos de origem animal. Isso vem no momento em que a produção de leite e derivados tem causado verdadeiros desastres na credibilidade. E não basta dizermos apenas que são fatos pontuais de contaminação. Para atacar a rejeição danosa à economia e saúde de consumidores mundiais e nacionais é preciso mais humildade dos grandes grupos controladores. É preciso apreço à transparência, muito mais do que mostrar o presidente enchendo a barriga de picanha. O problema é alerta na base tecnológica, onde ocorreu desatenção no necessário investimento nos laboratórios de analises do próprio Ministério da Agricultura. Com exageros ou não da divulgação das irregularidades, é preciso respeitar a saúde pública mediante controle da qualidade dos produtos que consumimos na nossa mesa e dos compradores internacionais.

Volta tese da anistia

A força do poder econômico de mega grupos na transformação de alimentos serve de adminículo para defasar a ação da PF na investigação. A cada questionamento sobre o ímpeto de divulgação nos casos levantados como escândalo, ressurge a ideia reducionista em relação ao caixa – 2. Os caciques políticos envolvidos em investigações, na iminência de verem seus nomes na lista de Janot, reagrupam-se. A qualquer momento, na calada da noite surgirá a votação para anistiar o caixa-2.

Estratégia

Alegações denominadas de “fatos pontuais”, “desconhecimento da origem do dinheiro irregular”, e coisas assim, ganham foro de uma grande desculpa para o crime organizado de corrupção e crime eleitoral. Até a velha e surrada argumentação de que a corrupção sempre existiu serve para os que atuam para anestesiar a consciência nacional. O momento histórico é importante e urgente demais para afrouxar o combate à corrupção.

Jornada

A crise financeira atinge a logística do grande evento cultural e social de Passo Fundo. A ideia ressurge, no entanto, com vigor moral e exige participação de todos. Teremos um ano importante com a realização do evento na Capital Nacional da Literatura.

Analfabeto

A questão de valores é sempre sublime e se sobrepõe aos sintomas formais e aparentes. O prefeito Antônio Ramos de Lima, que administrou Quixadá – PE teve sua candidatura validade judicialmente mesmo contestado por ser analfabeto. Mesmo com essa pecha, governou com dedicação e foco educacional exemplar. O município destacou-se pelo crescimento na estrutura educacional. Sustentou seu ideal na prioridade de valores.

Vila Luiza

A entrega à comunidade da escola da Vila Luiza é a conjugação de esforços do poder público que engrandece o compromisso de gestão municipal. Muito bom, prefeito Luciano. Quanto mais destinarmos bens ao dispor de todas as pessoas e quanto maior a prioridade atingida, mais fácil será a conquista do povo humilde.

Comentário

Falava com meu filho, que reside em Porto Alegre, sobre atendimento à saúde. Concluiu que Passo Fundo tem uma das melhores redes de atendimento médico hospitalar. A eficiência da saúde pública em Passo Fundo é melhor que na Capital, tanto na rede pública como nos planos de assistência privada. Não dá para se iludir com a cidade grande.

Gostou? Compartilhe