OPINIÃO

Cuidados ao contratar transporte escolar

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nesse período que antecede o início do ano escolar, muitos pais se preocupam não apenas com a compra do material escolar ou definição da escola do filho, mas também com o transporte escolar. Nem todos os pais conseguem levar e buscar os filhos na escola, por isso os serviços de transporte são importantes. Mas é preciso cuidados especiais na escolha do melhor transporte, por isso listamos algumas dicas para a contratação desse serviço. As dicas fazem parte de uma campanha elaborada pelo IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.


O motorista: exigências mínimas
A primeira dica é observar se o motorista possui habilitação de categoria D, curso de transportador escolar concedido pelo Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e licença para trabalhar. É obrigatório que o motorista tenha mais de 21 anos, não ter cometido nenhuma infração gravíssima no trânsito, nem ser reincidente em infrações médias durante os últimos 12 meses. Também é importante solicitar o número da licença do condutor do veículo e consultar na Secretaria de Segurança Pública – Guarda Municipal de Trânsito se o motorista está autorizado a circular.


AS CONDIÇÕES DO VEÍCULO
Em relação ao veículo que será usado no transporte escolar é preciso analisar se o mesmo está em boas condições de uso e higiene, se possui placa vermelha e autorização do Denatran fixada no lado interno e em local visível. Entre os itens de segurança, deve ter extintor de incêndio com capacidade mínima de 4 kg e limitadores de abertura de vidros, bem como é obrigatório o uso de cadeirinha nos veículos de transporte escolar para crianças de até 7 anos e meio, conforme determinação do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) em 2015. Essa exigência, embora obrigatória (Resolução n.º 533), começará a sofrer fiscalização efetiva a partir de 1º de fevereiro de 2017, conforme a Resolução n.º 562/2015 do CONTRAN. Mas o cinto de segurança para todos os passageiros continua a ser uma importante exigência. E, por fim, é sempre importante buscar informações na Escola e com outros pais que utilizam os serviços para verificar a qualidade do trabalho realizado pela empresa a ser contratada. Depois de contratada a empresa e iniciado o trabalho de transporte, após o início das aulas, é recomendável que os pais façam o acompanhamento do veículo, em dias aleatórios, por amostragem, ou no trajeto de ida ou de volta para verificar in loco como o motorista se porta no trânsito. Não se trata de investigar ou inspecionar o serviço prestado, mas fiscalizar como o filho está sendo transportado e a segurança desse serviço, visando preservar a vida e a segurança da criança. Mas do que um direito, esse é um dever dos pais.


Padronização do transporte
Com vistas à padronização do transporte escolar em todo o país, um Grupo de Trabalho está discutindo normas técnicas e inovações a serem implementadas este ano. O grupo é formado pelo Denatran – Departamento Nacional de Trânsito, FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e Inmetro. A população brasileira também será ouvida nesse debate através de consultas públicas.
_________________________________________
Júlio é Professor de Direito da IMED, Especialista em Processo Civil e em Direito Constitucional, Mestre em Direito, Desenvolvimento e Cidadania.

Gostou? Compartilhe