OPINIÃO

De que é feito um país???

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Minha adolescência viveu o período militar, de exceção segundo alguns, revolucionário ou contra-revolução segundo outros, ditadura ou ditabranda segundo o que se imagina cada cabeça. E havia no mural da faculdade de medicina, junto ao diretório Sabino Arias, uma frase famosa e “corrigida”. A original constava “um país é feito de homens e livros” – Monteiro Lobato - e a corrigida “um país é feito de homens livres”. O que é ser livre? É andar sem aliança, sem CPF, sem documentos, sem ideologia, sem país, sem dinheiro, sem dependências, sem credo – em outras palavras, o super-homem de Niesztche? Quem é livre ou absolutamente livre? Somos seres sociais, necessitamos da aldeia, necessitamos de interação, não somos libertos. A gente se libera de algumas coisas com o andar da carroça como o materialismo exacerbado, como o de pertencer a grandes grupos, como a de lutar por lenços ou bandeiras. Passamos a centralizar atenções à família, o grande reduto, o aconchego final, como definiu Luc Ferry na Fronteiras do Pensamento essa semana em Porto Alegre.

 


E tem os livros (segundo Monteiro Lobato) e tenho fixação por eles. Tenho sobre a mesa os seguintes títulos a recomendar: a história é amarela (50 entrevistas de Veja), o lado certo da história (Ben Shapiro), entre sem bater, a vida do Barão de Itararé (Claudio Figueiredo) e o solar da fossa (Toninho Vaz), livro muito interessante sobre uma pensão no bairro de Botafogo no Rio, onde grandes personalidades emergentes das letras, música, teatro e cinema moraram em seus tempos de pobreza. O solar da fossa havia sido emprestado ao saudoso colega Ricardo Bittencourt há 12 anos. Comprei-o novamente.

 


Meus pais morreram fisicamente há 10 anos. Penso neles com a imensa responsabilidade de tentar reproduzir a majestosa missão por eles cumprida de criar filhos bons de cuca, honestos e de alto astral. Eram semianalfabetos, meus pais, ao se conhecerem em 1955. Minha velha mal sabia escrever, mas lia bem. Meu velho era muito pobre, feio e gago. Gago até para escrever, segundo ele mesmo. Mas, superou sua herança social, venceu seus obstáculos, foi além, excedeu. E eu? Bem, minha realidade social, conquistada pelos meus pais semianalfabetos foi bem mais branda. Meu velho ao entrar nas forças armadas, por onde ficou por 28 anos e 1 dia, apenas estendeu a si aquilo que aprendera em casa juntos aos meus avós Antonio e Maria: disciplina, hierarquia e honradez. Tarefa dada = tarefa cumprida. E assim fez seu mundo, mundo da correção onde cada um tinha seus atributos. Era assim que funcionava e que deveria funcionar. O professor ensina ou compartilha, o aluno estuda e pesquisa; o padre prega a palavra; o policial mantém a ordem; o prefeito torna o necessário possível...Mundo simples como meus pais. Mas, que funciona. Liberdade??? Sim, mas com responsabilidade. Liberdade sim, mas com respeito ao outro.

 

De que é feito um país??? Das pequenas-grandes lições de casa...da honradez mesmo que conquistada sob adversidades. Afinal, falta de grana não deveria ser motivo para suplantar os princípios que nortearam nossos ancestrais. De que é feito um país??? De nós, agora... e já. Não dá mais para esperar; o Brasil era o país do futuro...o futuro chegou.

Gostou? Compartilhe