OPINIÃO

Desemprego na França

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desemprego na França
O desemprego como  base das preocupações sociais coletivas e individuais nunca  foi fantasma. Sempre é real. As  pressões  de mercado e de crescimento vinham causando aflição dolorosa principalmente  entre jovens e  adolescentes. Por isso o comentário especial feito pelo jornalista Guy Sorman na França,  em janeiro de  2004 afirma que é preciso detectar causas do  desemprego ou  empregabilidade  com ênfase  no crescimento. No começo do terceiro milênio a  França parecia ensinar  ao mundo como resolver a eventual  falta de renda pelo  trabalho, mediante normas  protecionistas em favor do assalariado, como é o caso do seguro  desemprego.

Ainda nação rica, - como  Estados Unidos e  Alemanha, - o contingente desempregado era de pessoas  que não se  sujeitavam a  determinadas  funções, aderindo a um status  que estabelecia serviços tidos como secundários, somente    abraçados por  emigrantes. Estrangeiros foram a  estes países europeus também para estudar e competir com os filhos  destas nações  mais ricas. Assim, passados  dez anos, a crise mundial convive  com a escalada  do  desemprego e desaceleração da  economia.

Desmoraliza
A  realização pessoal do homem e da mulher está ligada diretamente ao sentido de utilidade  ao participar  da convivência no mundo. Independentemente do  grau educacional, a aspiração do jovem é o  trabalho. A oportunidade faz parte   de sua construção pessoal.  É a  sensação de valor moral e ético e o  desejo de liberdade moldam-se através do elo entre trabalho e renda. O desemprego desmoraliza o jovem e provoca  comportamentos hostis à sociedade, dificuldade na  civilidade cotidiana  e  extremismo antidemocrático na política. A oportunidade  de  trabalhar, no  entanto, mobiliza e ativa  o  desejo de apreciar  valores essenciais. Por isso o emprego é tão importante na vida  das pessoas. É fator  de justiça social e torna fecundo o esforça pela formação de valores.

Nossa  cidade
No aspecto da empregabilidade, partindo de patamar amplo no desenvolvimento de valores, o ressurgimento de mais  empregos, no planejamento econômico e social da  cidade, podemos dizer  que habitamos uma das mais prósperas  cidades  de médio porte. O  fato de mais pessoas poderem abraçar o trabalho como realização pessoal tem  efeito pedagógico familiar que pode ser determinante em todas as demais  transformações. A educação (leitura),  a expansão do empreendedorismo como forma  de crescimento, são essências para a  retomada  da  verdadeira autoestima. A maioria  dos anseios  de  cidadania aparecem como efeito ou conseqüência da oportunidade  de emprego. Conclui-se que o trabalho é semente  de valores e sua  remuneração é a expressão mais sagrada  de nossa economia.

Retoques:
* Há meses, neste  espaço, citei a necessidade de melhorar o serviço de táxi nas  cidades brasileiras, aproveitando a Copa do Mundo. O SEBRAI acaba  de lançar programa  de apoio neste sentido, qualificando esta atividade.
* Algumas zonas  da cidade estão recebendo obras  de base para drenagem das ruas, renovação de  rede de água e esgoto. Estas primeiras operações incomodam os moradores, que serão valorizados logo adiante, quando forem concluidos os investimentos indispensáveis.
* Agradeço o convite  para a comemoração do título de Cidadão Honorário ao empresário da construção Civil Ulisses Galileu Giacomini, em sessão solene  da Câmara de Vereadores.
* Registramos o jantar estupendo, na Churrascaria Lazzaretti onde foram apresentadas iguarias do porco ecológico. Delícias deste mundo.
* O ministro Leonel Brizola Neto vem a Passo Fundo nesta sexta-feira. Entrevista coletiva no Gabinete  do Prefeito Dipp às 15 horas.
* O lado festivo  da Semana Farroupilha é ótimo. Reafirmo, no  entanto, uma preocupação com os  relatos  da história de uma luta ingente. Os lanceiros negros, que lutaram por liberdade, e  sonharam ver irmãos e irmãs livres logo após  a Guerra  dos Farrapos, não tiveram resposta, mesmo com o sangue derramado na batalha  final, todos hábeis, fortes e cheios de coragem. Em meio a  tanta festividade é justo lembrar tão honrado sacrifício.                                                                                                  

Gostou? Compartilhe