Desfiles cívico-militares marcam celebração do 7 de setembro

Mesmo sob chuva, centenas de pessoas acompanharam as marchas militares

Por
· 1 min de leitura
Estudantes do Colégio Militar Tiradentes desfilaram ao lado dos Batalhões de Polícia e Exército Brasileiro

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?
A chuva que caía, no início da manhã deste sábado (7), não impediu centenas de pessoas a se reunirem no largo da Estação Férrea da Gare para assistir as tradicionais marchas cívico-militares em celebração aos 197 anos da promulgação do decreto que tornou o Brasil independente de Portugal. 
Nas bandeiras hasteadas e no caminhar firme,  vinte e duas entidades cruzaram as Avenidas General Osório e Sete de Setembro, em Passo Fundo, sob o olhar atento dos munícipes. Estudantes do Colégio Militar Tiradentes marcharam na companhia dos batalhões e pelotões da Brigada Militar, das Polícias Civil, Federal e Rodoviária, e do Exército Brasileiro.
Entre os personagens históricos que a data rememora, o veterano da Força Expedicionária Brasileira (FEB), Delsi Branca da Luz, se tornou o foco de história viva dos desfiles temáticos. Aos 94 anos, o tenente reformado, que foi um dos pracinhas brasileiros enviados aos combates em cidades italianas no último ano da Segunda Guerra Mundial, em 1945, desfilou entre as tropas passo-fundenses. 
Além das marchas e palavras de ordem, cartazes pela conservação da Amazônia foram erguidos por membros do sindicato rural. “O planeta não sobrevive sem a preservação da Amazônia”, dizia a faixa.
A Independência veio pelas mãos de uma mulher 
Ainda que a Independência do Brasil tenha sido declarada pelo monarca, D. Pedro I, no levantar de espada às margens do rio Ipiranga em São Paulo, no ano de 1822, o decreto de Independência foi assinado pela então Princesa Regente Interina do Brasil, D. Maria Leopoldina. 
Os anais historiográficos dão conta de que “havia temores de que uma guerra civil separasse a Província de São Paulo do resto do Brasil”. D. Pedro partiu para tentar resolver esses conflitos,  nombrando, assim, Leopoldina como chefe do Conselho de Estado e Princesa Regente Interina do Brasil. D. Pedro. Ela, no entanto, não teve tempo de esperar pelo marido, após receber notícias de Portugal, e precisou tomar a decisão de assinatura do decreto, aconselhada por José Bonifácio de Andrada e Silva.
 
Gostou? Compartilhe