OPINIÃO

Do Armagedom ao Renascimento

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

O Filme Armagedom, estrelado em 1998. A história do filme se deu após uma chuva de pequenos meteoros que atingem a Terra (incluindo Nova York), a NASA se dá conta de que um asteroide do tamanho do Texas está em um curso de colisão com o nosso planeta. O asteroide se aproxima da Terra à uma velocidade 35.000km/h. e, se o choque acontecer, qualquer forma de vida deixará de existir na Terra, exatamente como o que exterminou os dinossauros 65 milhões de anos atrás. Restando apenas 18 dias para o choque entre a Terra e o asteroide, a única solução possível é enviar astronautas em um ônibus espacial até a superfície do asteroide e lá perfurar 800 pés para colocar uma bomba nuclear, detonando-a por controle remoto. Para cumprir tal missão é convocado o mais famoso perfurador de petróleo (Bruce Willis) a grandes profundidades do mundo, que exige formar sua equipe com técnicos que têm um comportamento nada convencional para os padrões do governo.
No Brasil, o Armagedom não é filme de ficção, é de ação pura, com histórias das mais divertidas e aterrorizantes: pornografia política; chantagem; corrupção; submissão; delações; conspirações. Nosso Armagedom tem como atores principais os políticos as facções partidárias e instabilidade econômica. Talvez nosso armagedom político possa ser explicado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso onde o mesmo escreveu que “mudou o algoritmo que rege a política. Acabou a era da política elitista e demagógica. Agora, quem emposta a voz ou pretende esconder o jogo logo vira fake, quer dizer, falso. Antes, tudo se escondia, agora, nada passa despercebido. Conchavos, nem pensar. Para se impor e vencer eleições, não basta apresentar ou vender boas ideias, é necessário alinhar, conversar, convencer, respeitar, escutar. As orelhas andam mais importantes que a língua na política”.
Exigem-se novas formas de diálogo, em substituição às reuniões fechadas e aos tradicionais discursos onde um líder fala e a plateia escuta. Agora, munidos de ferramentas de comunicação extraordinárias todos querem falar, e mais ainda, querem ser ouvidos pelo mundo do poder. Goste-se ou não, é assim que está funcionando.
Novas mensagens inundam as redes sociais. Elas exprimem causas e angústias nem sempre facilmente ou rapidamente, percebidas pelo status quo. São demandas e desejos oriundos de distintos grupos sociais, proposições que não se restringem à “luta de classes” e não se enquadram na velha dicotomia “esquerda ou direita”: dependem também da definição positiva ou negativa das pessoas diante de causas e valores que se difundem na sociedade globalizada.
As pessoas reagem como tal, “pessoas”, que, sendo cidadãos, não se interessam apenas pelas reivindicações típicas das sociedades democráticas, como os direitos humanos e extensão da cidadania, mas abrangem a busca da liberdade para viver diversamente, com dignidade, na sociedade de consumo. Assim como no filme Armagedom, buscou-se os melhores homens para evitar uma tragédia no planeta terra. No Brasil para evitar o Armagedom econômico, foram conduzidos aos principais cargos do Ministério da Fazenda, Banco Central e demais autarquias e bancos públicos alguns dos melhores nomes no país em suas áreas de atuação.
Vivemos momentos de grandes turbulências políticas e econômicas no Brasil que afetam a vida de toda a sociedade, das famílias as empresas, do jovem ao idoso, das empresas públicas as empresas privadas, nossas instituições estão passando por um verdadeiro teste de stress. Diante desse cenário, temos duas opções: sentar e esperar ou se preparar para aproveitar as oportunidades após a crise. As empresas que possuem um planejamento de longo prazo alinhados com a missão, visão e valores estão sentindo a turbulência, mas, conseguem identificar as oportunidades que esse momento reserva.

Adriano José da Silva
Professor Coordenador da Escola de Administração da IMED

Gostou? Compartilhe