OPINIÃO

Doenças sexualmente transmissíveis e o Carnaval

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Julio César Stobbe é Coordenador do Curso de Medicina da UFFS e Vice Diretor Médico do HSVP

As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) constituem-se em um problema de saúde pública mundial. Seus números reais são imprecisos, porém sua ocorrência é real. Estima-se em 17% da perdas econômicas por doenças em países em desenvolvimento. A vergonha e os tabus relacionados às DSTs constituem-se no maior agravante de sua ocorrência.

A ocorrência de Sífilis Congênita no Brasil está aumentando e em nosso serviço de maternidade seu diagnóstico em gestantes é uma realidade quase cotidiana. Das DSTs atendidas em ambulatórios, no Brasil, aproximadamente 15% são de etiologia bacteriana e 42% de natureza viral. Das DSTs de natureza viral o HPV (Papilomavírus humano ou Condiloma acuminado) é a mais frequente (importância da vacinação dos jovens) e posteriormente o Herpes Vírus.  Ter uma DST aumenta em até 18 vezes a chance de adquirir o vírus do HIV e portanto a necessidade de fazer o Teste Rápido para rastreamento na rede de saúde.

Importante relatar que entre jovens de 15 a 19 anos a transmissão do vírus do HIV é maior entre meninas do que meninos. Fato esse que demonstra a extrema importância da orientação franca dos jovens durante consultas, de forma individual, pois muitas vezes a presença dos pais pode servir como fator de inibição, principalmente quanto à atividade sexual. Assim a importância de orientações sobre o uso do preservativo nessa população.

A incidência do vírus do HIV na população em geral, em nosso país, é de aproximadamente, de 20,2 casos por 100 mil habitantes/ano. E, em praticamente todas as regiões, esses números, ao contrário do que se pensa, estão aumentando de forma considerável (Gráfico 1 ). A faixa etária em que a aids é mais incidente, em ambos os sexos, é a de 25 a 49 anos de idade. Chama atenção a análise da razão de sexos em jovens de 13 a 19 anos. Vale a pena frisar que essa é a única faixa etária onde o número de casos de aids é maior entre as mulheres.

Gráfico 1

Quanto à forma de transmissão entre os maiores de 13 anos de idade, prevalece a sexual. Nas mulheres, 86,8% dos casos registrados em 2012 decorreram de relações heterossexuais com pessoas infectadas pelo HIV. Entre os homens, 43,5% dos casos se deram por relações heterossexuais, 24,5% por relações homossexuais e 7,7% por bissexuais. O restante ocorreu por transmissão sanguínea e vertical. Os números, certamente assustadores, podem também representar que o estímulo ao rastreamento com testes rápidos contribuíram para que se obtenha o aumento do número de casos. E, outra possibilidade é a redução nos cuidados de prevenção. 
Fevereiro temos o feriadão das festas do Carnaval. Alegria, sorrisos bonitos, corpos esculturais, alegria e, sem tabus: sexo! Mas, é claro, de forma segura, uso de preservativo é ainda a melhor forma de prevenção das DSTs, dentre elas o HIV e outras surpresas. O preservativo também redução a proliferação das DSTs, então com múltiplos benefícios: use o preservativo e tenha boas festas!

 

Gostou? Compartilhe