Duas décadas de amparo à comunidade com deficiência visual

Apace celebra, nesta terça-feira (23), 20 anos de atuação e desenvolvimento de políticas inclusivas aos cegos e deficientes visuais

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Há 20 anos, celebrados nesta terça-feira (23), as dependências da Associação Passofundense de Cegos (Apace), no bairro Boqueirão, abre as portas para as múltiplas possibilidades de desenvolvimento pessoal e cidadão de cerca de 290 pessoas portadoras de deficiência visual assistidas pela entidade.

Criada em 1999 com o propósito de “congregar os cegos e os deficientes visuais na luta pela sua inclusão social”, como lembra os dizeres institucionais na página da associação na internet, a Apace desenvolve atividades de habilitação e reabilitação, psicomotricidade, assistência social e psicológica a 1,6% da população deficiente de Passo Fundo. “No espaço, também há leitura de livros em braile e áudio, e estímulo precoce de bebês, com até três anos, para que os portadores de deficiência visual possam desenvolver e mostrar suas potencialidades”, menciona o presidente da Apace, Fábio Flores. De acordo com ele, das cerca de 2 mil pessoas diagnosticadas com perda total ou parcial da visão, no município, apenas 290 possuem cadastro junto à entidade. Entre 10 a 15 deficientes visuais, como afirma ainda, são crianças. “Falta recurso financeiro para que a gente possa atender mais pessoas”, aponta.

Não sabemos até quando poderemos manter as portas abertas”

Mantendo-se através de ações promovidas pela própria entidade assistencial, como a venda de cachorro-quente solidário e jantares beneficente, a Apace, segundo Flores, não recebe mais recurso financeiro municipal. “Até 2017, recebíamos um auxílio para realizarmos atendimentos a toda comunidade; em 2018, os recursos foram direcionados ao atendimento de crianças portadoras de deficiência visual matriculadas na rede municipal de educação. Em dezembro do ano passado, a parceria pelo período de 6 meses terminou e não foi lançado mais nenhum chamamento público”, explica Fábio. “Nos prejudica muito porque a maioria do público atendido pela Apace é de Passo Fundo”, sinaliza. “Gera uma apreensão porque não sabemos até quando poderemos manter as portas abertas”, conclui.

O secretário municipal de Assistência Social (SEMCAS), Wilson Pedro Lill, afirma que a pasta continua prestando auxílio à Apace, mesmo com a mudança no Marco Regulatório. “A SEMCAS contribui com a cedência do espaço físico para o funcionamento das atividades, através do aluguel, e mantemos um profissional vinculado ao Programa Apoiar e Comprometer (PAC)”, menciona. “As novas preveem o pagamento por cada atendimento realizado pela associação”, prossegue.

A Associação Passofundense de Cegos congrega, segundo o presidente da entidade, pessoas portadoras de necessidades especiais de cidades da região de abrangência da sede, como Ciríaco, Pontão, Getúlio Vargas e Tapejara. “Temos um custo mensal médio de R$ 10 mil e cerca de 80% desse total é para manter a Apace funcionando e prestando os atendimentos de educação ao deficiente visual e orientação com o auxílio de 8 profissionais”, revela.

Programação alusiva

As celebrações do vigésimo ano da Apace iniciou, conforme aludiu Flores, ainda no domingo (21) com uma mateada na Praça Santa Terezinha. Nesta terça-feira (23), data simbólica de fundação da entidade, haverá a exibição gratuita do filme nacional “As Duas Irenes (2017)” no Teatro do Sesc. A película, de acordo com ele, terá audiodescrição para o público portador de deficiência visual ou cegueira. Ainda durante o dia, o novo vídeo institucional da Apace será exibido ao público geral presente na sala, seguido por uma recepção ao coquetel servido logo após.

Presente no calendário de celebrações, na quarta-feira (24), a mobilidade será estimulada através de um passeio ciclístico com bicicletas acessíveis, desenvolvidas em conjunto com a Universidade de Passo Fundo (UPF). Com saída a partir das 9h da Praça Teixeinha, no Centro, o trajeto será percorrido até o Insituto Educacional Metodista (IE) para, como referiu Fábio, “trabalhar o senso de direção e incentivo ao esporte”. “A atividade também irá envolver as pessoas que não possuem deficiência de visão para que elas percebam como é andar de bicicletas e percorrer a cidade sem ver”, esclareceu. A programação encerra no sábado (27) com um jantar solidário promovido pela Apace, no CTG Fagundes dos Reis, no bairro São José, ao valor de R$ 20,00.

 

Gostou? Compartilhe