OPINIÃO

Epílogo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 Entre 1963-67 assistíamos, nas noites de sextas-feiras, O Fugitivo que narrava a frenética busca do assassino de sua esposa enquanto que era perseguido pela polícia como principal suspeito. David Jansen interpretava Richard Kimble e o seriado dividia-se em 5 partes. No epílogo, desdobramento ou endpoint como se queira satisfazer vinha a tristeza, o abandono, a fuga. Kimble olhava para frente em busca do assassino e olhava para trás para fugir da justiça assim como faria David Banner, em O Incrível Hulk. Banner ía embora ao som do piano da música considerada como a mais tristes das músicas dos seriados. Era o homem diante do passado e futuro e em busca permanente, ou seja, um pouco de cada nós.

Puxa, são quase quinhentas crônicas nesse espaço de jornal onde fiz nudes de minhas ideias. A intenção era escrever para minha mãe e meus filhos. Mas, alguns amigos distraídos também passaram os olhos nelas, ligeiramente, e fui ficando. Sempre tive a sensação de escrever temas que pudessem em algum momento servir de reflexão e melhoria da qualidade de vida de quem quer que fosse, assim como fiz em minhas palestras e aulas nas casas espíritas e para os diversos alunos. Alguns jovens, inquietos e numa vibe diferente comentaram que eu divagava nas aulas (saía do tema para falar da vida, como se isso interessasse a todos) e pensei em trocar de Dr Jorge para Dr Divago, em homenagem a Omar Shariff.

De qualquer maneira estive emparedado entre convicções que se diluiram e incertezas que não se confirmaram, entre o existencialismo e a vida com propósitos, entre a fé e o agnosticismo. Nunca me dispus a afirmações definitivas porquanto o mundo é o que é a partir do prisma de cada um, a partir da subjetividade. Posso abraçar ideologias ou me desencantar com todas de acordo com o momento porque acredito que o homem é ele e as suas circunstâncias. Um cara, por exemplo, que afirma que não rouba porque não precisa disso talvez esteja querendo dizer que se preciso fosse, roubaria. Move-se pela moral, pelo circunstante, pela necessidade.

Estou assim, em epílogo e necessito descer do ônibus, necessito reflexão, tempo para ordenar as ideias e é provável que alguns dos dezoito leitores que me brindam percebam minha ausência. Sou o resultado de minhas vivências e observações e minhas ideias servem a mim e a mais ninguém, nem poderia ser diferente. Ainda consternado pela perda da Rosabela (Neca) - esposa do Aloir, irmã de Helio Renan e Rosali, a pequena grande mulher, da doçura, de humanidade e receptividade indescritíveis, menina que nunca vi triste e muito menos vi chorar - percebo as certezas de um homem sessentão como eu. Primeira certeza: a vida passa muito depressa, é curta até demais; segunda: perde-se muito tempo com bobagens, com preocupações idiotas e com pessoas que não merecem o apreço que foi dado; e terceira: quando a gente constata as duas primeiras a gente está quase no fim da vida.

O livro de minha filha está à venda na Livraria Delta e aproveito para agradecer aos que compareceram e aos que se manifestaram em apreço ou críticas.

Fui... até qualquer dia.

Então tá, fui.

Gostou? Compartilhe