Escola dá nova perspectiva para alunos autistas

Eles aproveitaram uma tarde ensolarada para visitar o Pesque Pague Nossa Senhora Aparecida

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os conceitos de inclusão e qualidade de vida têm sido levados à prática pela direção e equipe da Escola Municipal de Autistas Professora Olga Caetano Dias. Dentro do projeto que leva os alunos para lugares da cidade, eles aproveitaram uma tarde ensolarada para visitar o Pesque Pague Nossa Senhora Aparecida, um lugar especial, junto à natureza, que possibilitou novas sensações aos adolescentes e adultos da instituição.

 

A ideia da pescaria partiu de um dos professores, Valdemar Góes, com o objetivo de propiciar uma nova experiência aos alunos. “Ter um momento assim é ímpar, representa bem-estar, qualidade de vida e valorização de cada ser humano, independente da dificuldade”, afirmou. Segundo ele, o importante é buscar a inserção dos alunos na sociedade. “Nossos alunos são mais do que especiais, todo mundo deveria ter a chance de trabalhar com um ser humano que precisa desse olhar mais carinhoso, mais humano”, observou o professor. 


Curiosidade e encantamento não faltaram na nova experiência. Os alunos ficaram realizados com o aprendizado e todos puderam pescar seus próprios peixes. O professor Cleiton Bona, que trabalha na escola há 9 anos, foi um dos que ajudou os alunos. “Viemos aqui proporcionar a esses adolescentes e adultos autistas uma vivência totalmente diferente, que muitas vezes as famílias não podem proporcionar. O objetivo desses passeios é criar uma cultura diferente, para que pessoas de fora também aprendam sobre o autismo, saibam conviver com isso”, ressaltou o professor. 

A escola tem como um dos principais objetivos trabalhar a qualidade de vida e a  autonomia. “São trabalhados projetos de Artes, Psicomotricidade, Inserção Social, Integração e atividades da vida diária, todos visando a inclusão dos alunos na escola, na família e na comunidade onde estão inseridos”, afirmou a diretora Enoir Santana. Já existe o hábito de, toda a semana, fazer passeios por praças e ruas da cidade, lanches especiais, idas ao cinema, visitas a supermercados, sempre com o acompanhamento dos professores. 

Nesta terça-feira, 2 de abril, é comemorado o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. A ação foi criada em 2008 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e chama atenção para a importância de se conhecer e tratar o transtorno que atinge mais de 2 milhões de brasileiros. 

Criada em 2001, a Escola atende 68 alunos, entre 6 e 42 anos. Os estudantes frequentam o local no turno inverso e fazem atividades para desenvolver o raciocínio, a memória e a coordenação motora. Ao todo, 19 professores de diversas áreas atuam na escola e ajudam na evolução dos autistas. A escola é uma das poucas instituições especializadas em educação de autistas no Rio Grande do Sul.

O que é?
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na interação social, além disso essas pessoas costumam apresentar comportamentos repetitivos, e em muitos casos são inflexíveis a mudança de rotina.

Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afetá-las com intensidades diferentes. O diagnóstico precoce pode melhorar muito a qualidade de vida e a evolução do paciente. Por isso a importância de procurar profissionais especializados.

Gostou? Compartilhe