Escolas de samba receberam preservativos para distribuição

Equipe do Ambulatório DST/Aids passou nos locais de ensaios e entregou 10 caixas de preservativos para cada escola distribuir entre seus integrantes e foliões durante o carnaval

Por
· 1 min de leitura
Campanha tem como objetivo a prevenção da aids e outras doenças sexualmente transmissíveis

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Todos os anos o Ministério da Saúde (MS) desenvolve uma campanha de prevenção à aids, que consiste basicamente na distribuição de preservativos. Este ano, essa campanha de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e aids lançada para o carnaval será estendida a todos os grandes eventos e festas populares, como São João e a Copa do Mundo. Com o slogan “Se tem festa, festaço ou festinha, tem que ter camisinha”, a mobilização pretende alertar para a prevenção nos momentos de divertimento. A campanha é dirigida à população em geral, na faixa etária de 15 a 49 anos.

Em Passo Fundo, uma das estratégias deste ano foi a entrega de 10 caixas de preservativos em cada escola de samba para que as unidades sejam distribuídas entre os integrantes e seus foliões. Além disso, todas as unidades de saúde, que normalmente já possuem os preservativos para distribuição, receberam ainda uma quantidade extra, segundo informações da coordenadora do Ambulatório DST/Aids, Nadia Camargo.

De acordo com ela, hoje são 115 pessoas em Passo Fundo com HIV, ainda sem o desenvolvimento da doença. Com aids, são 560 pacientes do município e outros 45 casos de crianças e adolescentes. Para estes, o ambulatório fornece o tratamento com antirretrovirais e realiza o acompanhamento. Entre os demais municípios de abrangência do Ambulatório são mais 402 casos de pacientes com aids em tratamento. Somente em 2013, dos pacientes que compareceram ao Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), que funciona no ambulatório, para fazer o exame que detecta o vírus ou a testagem rápida 57 foram reagentes ao HIV. Deste total, quatro são gestantes. O quinto novo caso de gestante foi encaminhado por testagem rápida feita em uma das unidades de saúde dos bairros.

Fique Sabendo
Um das estratégias do Ministério da Saúde no combate à epidemia é o Fique Sabendo, ação direcionada à ampliação do diagnóstico precoce da população. Lançados em 2005, os testes são oferecidos em Unidades Básicas de Saúde, Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA), ambulatórios ou em locais como praças, feiras e eventos específicos como festas e shows.

Nestas ações são utilizados testes rápidos, que ficam prontos em cerca de 30 minutos, sendo necessária apenas uma gota de sangue. Os testes rápidos começaram a ser utilizados em larga escala em 2005, quando foram distribuídos 509 mil unidades em todo o país. Em oito anos, a oferta cresceu 800%, com 4,7 milhões de testes distribuídos em 2013. O diagnóstico precoce é importante para quebrar a cadeia de transmissão do vírus e promover o acompanhamento do paciente, evitando o desenvolvimento de aids, além de permitir que o paciente inicie o tratamento mais cedo.

Gostou? Compartilhe