OPINIÃO

Escolhas

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Meu filho me deu um grande presente esta semana. Ele disse que gostaria muito de ter conhecido o Jorge Anunciação com seus 18-20 anos. Então, apresentei-me, pois não percebo muitas diferenças entre o que eu fui e o que sou. Não sei se isso é estagnação ou preservação de princípios. Mas era eu sonhador, aglutinador, especialista em promover finais felizes. Além disso era movido por uma grande força transformadora, uma espécie de dínamo e procurava buscar na filosofia, barata ou não, grandes explicações para os atos do cotidiano. Entendia que a vida de todos poderia ser bem melhor do que é e que isso tudo vinha de escolhas.

Hoje, li ali no Zaffari, que a vida é feita de escolhas, então lembrei de meu filho e dos meus 18. E as escolhas se tornam mais obrigatórias à medida em que vamos envelhecendo. Parece que temos que ter a sabedoria de ser como aquele zagueiro veterano, aquele que joga pelos atalhos, pelos caminhos mais curtos.

Assim posto torna-se evidente que não dispomos de todo o tempo do mundo para fazer tudo o que se apresenta. Resta, então, escolher. Escolher as melhores companhias, as melhores músicas, os melhores filmes.

A vida me permitiu pensar precocemente nisso tudo há 29 anos quando eu era residente de cirurgia geral. Nessa época, tão atarefado quanto sou hoje, deliberei que os sábados à tarde seriam dedicados a caminhar sem destino e a pensar na vida, fazer uma introspeção, mesmo que resultasse em brigas internas. Foi bom enquanto durou e foi muito útil. Agora percebo que estou necessitando retomar essa ideia.

Estava caminhando pelo Boqueirão, uma pequena extensão de terra da imensa propriedade de Osvandré Lech e senti saudades das tardes que utilizava para correr no asfalto como fazia há 10 anos. Depois disso me enchi de compromissos na universidade e hospitais e abandonei o exercício nestes horários. Já sinto saudade de ir em boates, de jantar com os velhos amigos, de jogar conversa fora, de ir aos jogos do Grêmio – vá que meu time ganhe naquele dia.

Porque a gente vai se enclausurando, encistando-se, viramos escravos dos compromissos. Vamos acordar antes que a gente não consiga mais acordar e vamos fazer as escolhas saudáveis de modo voluntário antes que a vida imponha nossos destinos.

Afinal, a verdadeira felicidade é algo fácil de ser atingida. Se foi difícil atingi-la deve ser porque é de segunda categoria.

Gostou? Compartilhe