OPINIÃO

Et tu, FDP!

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

São da lavra de Shakespeare (e não de historiadores, como seria presumível), os relatos mais conhecidos dos acontecimentos que marcaram os últimos e conturbados dias do governo de Júlio César em Roma. O texto do Bardo, escrito por volta do ano 1599, é tão convincente que muita gente não consegue distinguir o que é ficção e o que é historia real nessa tragédia clássica. A peça, originalmente chamada “The Tragedie of Julius Caesar”, ainda que pareça, pelo título, não trata propriamente do ditador romano. César é morto no início do terceiro ato. Essa tragédia shakespeariana, que centrou o protagonismo da história em Marco Júnio Bruto e seus conflitos mais íntimos - patriotismo, honra e amizade - foi levada aos palcos isabelinos como forma de reflexão sobre a preocupação que tomava conta da Inglaterra, na época, governada por uma rainha idosa que se recusava a indicar um sucessor; espalhando, entre os súditos, o temor de que, a exemplo do ocorrido em Roma, uma guerra civil fraticida poderia acontecer após a sua morte.
O texto de Shakespeare é, em boa parte, uma interpretação fantasiosa dos escritos dos historiadores romanos Plutarco e Suetônio. Mas, por retratar, como poucos, o lado trágico da alma humana na busca pelo poder, tornou-se indispensável; especialmente nos tempos atuais. Não faltam, nesse enredo, os ingredientes básicos do nosso dia a dia, quer seja no universo político, no ambiente familiar ou no mundo das corporações: conspiração, tramoias, traições, jogos de interesse e discursos eivados de ingênuas e/ou falsas boas intenções, não raro, envolvendo cidadãos honrados, a exemplo dos senadores romanos. O motivo aparente era salvar a República e a democracia em Roma. Mas, no fundo, o que os senadores romanos queriam era poder, fama e vingança. Ficaram com a vingança, César morto foi endeusado e ficou com a fama e os romanos, com a derrota de Marco Antônio imposta por Otávio, uma vez tendo sido decretado o fim da Republica, passaram a ser governados por imperadores tiranos.
Alguns dos versos mais conhecidos e proféticos de Shakespeare foram pronunciados por Cássio, diante do cadáver de César: “Quantas épocas por vir/ Será esta nossa elevada cena de novo encenada/em estados ainda não nascidos e sotaques ainda desconhecidos”. Que cena seria essa? Muito provavelmente (por ser a minha preferida, admito) aquela que, ignorando o aviso de um vidente, que, no meio da multidão, grita “Cuidado com os Idos de Março!”, e, contrariando a sua própria intuição e pedido da esposa, César dirige-se ao Senado para encontrar a morte naquele 15 de março do ano 44 a.C.
Há um clima de horror indescritível na cena da morte de César. E o cume, para mim, é quando, um César, acossado pelas punhaladas, consegue divisar, entre os rostos dos seus algozes, a figura de Marco Júnio Bruto (o seu protegido), e esse, sem piedade, desfere a 23ª e fatal punhalada. É nesse momento que Skakespeare faz Cesar proferir a famosa frase “Também tu, Bruto!” (em bom latim, Et tu, Brutus!); antes de cair, sugerindo que a traição destruiu a vontade de César de viver.
As palavras de Cássio e a cena da morte de César, muito provavelmente, inspiraram Jorge Luis Borges a escrever o miniconto (dois parágrafos apenas) “La Trama”, cuja essência, frisa Borges, é que ao destino agradam as repetições. E assim se dá, no sul da Província de Buenos Aires, a história de um “gaucho”, que é agredido por outros “gauchos” e, ao cair, reconhecendo um afilhado, surpreso e mansamente lhe diz: “Pero, Che!”. O matam e ele não sabe que morreu apenas para que se repetisse uma cena que fora escrita por Shakespeare dezenove séculos antes.
Tanto o César de Shakespeare quanto o “gaucho" de Borges, pela polidez em momentos tão dramáticos, soam demasiados inverossímeis nessas falas. Acredito que, como essas eram palavras para serem ouvidas e não para serem lidas, como destacou Jorge Luis Borges no seu conto, o mais provável é que, sempre no sentido figurado evidentemente , o “gaucho” tenha dito “Pero, Hijo de una P...!” , e César “Et tu, Filho da P...”.

 

Gostou? Compartilhe