OPINIÃO

?EURoeA Esposa?EUR?, e os danos da submissão

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Enquanto Capitão Marvel aporta na cidade – e toma conta, por exemplo, da TODAS as exibições no Bourbon – eu sigo buscando, de forma atrasada, alguns filmes que marcaram 2018 e que chegaram a figurar no Oscar (além daqueles que deveriam, mas não chegaram lá). Vi na semana que passou “A Esposa”, filme pelo qual Glenn Close ganhou o Globo de Ouro e era forte favorita no prêmio da Academia, perdido para a ótima Olivia Colman, de “A Favorita”. Close divide o protagonismo com  o  sempre ótimo Jonathan Pryce, mas o show pertence a ela. Não é a melhor performance da carreira, mas o prêmio e as indicações fazem jus ao seu trabalho. E ele é relevante quando estamos na semana em que se comemorou o Dia da Mulher, na última sexta o – aliás, a própria estreia de Capitão Marvel nessa semana, com a primeira heroína comandando uma superprodução do estúdio, também não é por acaso. 

No filme de Björn Runge, ela é uma escritora que, na adolescência, se apaixona por seu professor de literatura, um caso extraconjugal que se transforma em uma vida a dois: por ela, ele largou a família, e por ele, ela abdicou de aparecer para o mundo. Exímia escritora, ela logo percebe que o grande talento do casal não é dele, um homem frustrado com a abundância de ideias, mas a falta de talento para colocá-las no papel. Ela passa, então, a escrever suas ideias, e seu estilo, com o passar dos anos, torna seu marido tão famoso que, no ponto em que o filme começa, já idosos, ele é contemplado com o Nobel de Literatura. É aí que todo o sentimento reprimido por ela explode justamente quando os dois viajam para Estocolmo para que ele possa receber o prêmio.

É um filme desequilibrado. Com exceção da atuação de Close, muito parece estar incompleto, pela metade. É quase como se a forma do filme tentasse comentar o conteúdo, rimando com a vida incompleta da personagem principal, o que seria genial se realmente acreditássemos que é proposital... Mas muito do que se tenta construir parece ser abandonado pela metade. O roteiro insere uma série de personagens secundários, sempre circundando o casal, introduz seus dramas, mas parece sempre abandoná-los pela metade, achando que eles podem servir como combustível para as discussões dos protagonistas em que, aí sim, brilham os dois atores. Mas fica a impressão – e a sub-trama envolvendo o filho aspirante a escritor é um bom exemplo – que algo sempre é deixado para trás. O grande pecado talvez esteja na falta de um diretor com talento e ousadia suficientes para permitir que suas imagens explorem melhor e falem mais sobre uma ótima base dramática, mas que eventualmente acaba optando pela opção mais fácil e óbvia - visualmente, narrativamente e verbalmente.  E em muitos momentos o roteiro opta por colocar nos diálogos dos personagens situações que poderiam ser mais interessantes expor, ao mesmo tempo em que, fazendo uso de flashbacks para mostrar o começo da relação dos dois, parece explorar pouco esse recurso para potencializar o sentimento de repressão vivido pela personagem central, usando os flashbacks apenas como um elemento de exposição da história. Falta ousadia para ligar passado e presente.

O filme, no entanto, tem alguns momentos inspirados - o dolly out (movimento de câmera para trás) na cerimônia de premiação do Novel, enquanto Pryce, e o público, buscam com os olhos mas não encontram a esposa no mar de silhuetas da platéia é um desses exemplos, como como a maneira como em vários momentos as opções de foco da câmera privilegiam ou escondam o ambiente em torno de Close - mas fiquei com a sensação de que o resultado final é menor do que a história oferece. A quantidade de opções dramáticas que se oferecem e são abandonadas só deixa claro o quanto o roteiro parece ter sido costurado às pressas. Vale por Close, e pelo tema em si, que já havia sido abordado de diferentes maneiras em filmes como “Grandes Olhos” ou no recente “Colette”.

 

Gostou? Compartilhe