OPINIÃO

?EURoeA verdade vos libertará?EUR? (João 8, 32)

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O momento que vivemos no país está deixando os brasileiros, em particular os mais pobres, atordoados. As investigações revelaram gigantescos esquemas de corrupção. E cada dia novos fatos surgem. É uma verdadeira praga. Há uma longa lista de acusados, com uma enxurrada de acusações, prisões, condenações, absolvições, recursos, liminares, interpretações, etc, etc. Fica a pergunta onde está a verdade? Quem está falando a verdade? O que é fato? O que é versão do fato?

 

Depois de ser preso, Jesus foi conduzido a Pilatos para ser interrogado. No interrogatório Pilatos faz uma pergunta a Jesus: “O que é a verdade?” (Jo 18,38). Certamente fez esta pergunta porque tinha informações de que Jesus era verdadeiro, falava a verdade, testemunhava a verdade, educava as pessoas à verdade e se tinha apresentado como a Verdade. A pergunta é feita durante um processo no qual Jesus era réu e havia a necessidade de fazer um julgamento e proferir uma sentença.

 

Para que uma sentença de absolvição ou condenação seja justa precisa revelar a verdade. Cada dia juízes, revestidos pelo Poder Judiciário, emitem sentenças. Somente os julgamentos e as sentenças de alguns personagens públicos despertam um interesse maior da sociedade. Torna-se um debate público, indo além dos tribunais. Isto é salutar para a sociedade e para o poder judiciário. A publicidade permite que a sociedade compreenda melhor o sistema judiciário, seus trâmites, seus limites e o serviço que presta.

 

Os processos revelam como é difícil chegar à verdade. Os recursos revelam que as partes não ficaram satisfeitas com a sentença, ou porque foram injustiças ou porque não querem admitir a acusação, reconhecendo a culpa. O recurso a instâncias superiores é um meio para um julgamento mais justo, pois um colegiado pode errar menos do que um único juiz.

 

E a pergunta de Pilatos: O que é a verdade? Não se encontra uma definição unívoca. O dicionário de filosofia de Nicola Abbagnano distingue cinco conceitos fundamentais de verdade: 1º A verdade como correspondência, é a definição mais importante e a mais difundida. Santo Tomás de Aquino a formulou assim: “correspondência entre o intelecto e a realidade”. 2º A verdade como revelação ou manifestação, tendo como formas fundamentais: uma empirista – ligada aos sentidos – e outra metafísica ou teológica. A ênfase está na evidência. 3º A verdade como conformidade com uma regra ou conceito. 4º A verdade como coerência e o 5º a verdade como utilidade, isto é, verdadeiro o que me é útil.

 

O Catecismo da Igreja Católica, nº 2468 ensina: “A verdade como retidão do agir e da palavra tem o nome de veracidade, sinceridade ou franqueza. A verdade ou veracidade é a virtude que consiste em mostrar-se verdadeiro no agir e no falar, guardando-se da duplicidade, da simulação e da hipocrisia”.

 

A verdade não pode ser refém de visões subjetivas e da arbitrariedade dos interesses pessoais ou de grupos para manter o poder. Tornaria a justiça impossível. As ditaduras na história se construíram e se mantiveram sobre mentiras. O ensinamento de Jesus que a verdade nos torna livres, é condição para restabelecer um clima de confiança para enfrentar os múltiplos problemas sérios que o país enfrenta em vista da construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. O amor incondicional pela verdade poderia ser simplificado nas palavras de Jesus: “Seja o vosso sim, sim, e o vosso não, não. O que passa disso vem do Maligno” (Mateus 5,37).

Gostou? Compartilhe