?EURoeNós vimos a possibilidade social de alimentar pessoas?EUR?

Projeto ?EURoeMão na Massa?EUR? ultrapassa fronteiras entregando pão a pessoas em situação de vulnerabilidade

Por
· 2 min de leitura
A iniciativa surgida em Passo Fundo conta agora com 7 padarias solidárias no país e está prestes a abrir a primeira base no Paraguai

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O silêncio nas madrugadas de terça-feira, no Lar Emiliano Lopes, é quebrado pelo som da massa que, ainda fresca, é jogada de um lado para o outro nos cilindros de panificação. Aos poucos, os pães de leite se moldam conforme a fome de 300 pessoas moradoras dos bairros Parque do Sol, Industrial, Cinquentenário, Valinhos II e Xangri-lá, e de famílias na cidade de Marcelino Ramos. Além do Rio Grande do Sul, a iniciativa se ramificou para outros estados do país e estuda a implementação na capital do Paraguai, através da identificação de localidades em situação de vulnerabilidade social feita por membros da Igreja Assembleia de Deus.

 

O alimento, entregue semanalmente por voluntários, começou a ser produzido para o consumo no lanche das crianças assistidas pela instituição. O aporte financeiro insuficiente para manter a estrutura em funcionamento, no entanto, serviu de impulso para o início da fabricação em escala industrial. “Fabricamos, em média, 100 pães por dia. Mas, isso varia porque, além de doar, nós os vendemos para conseguir subsidiar o projeto”, conta o coordenador do Lar Emiliano Lopes, Sérgio Augusto de Oliveira.

 

Sob demanda de venda solicitada por aplicativo de mensagem um dia antes da produção, a iniciativa gestada em Passo Fundo tenta agora diminuir a urgência daqueles que sentem o estômago pesar uma vez ao dia, quando fazem a única refeição que lhes é possível, na cidade de Sobradinho, no Maranhão. A fronteiras diluídas pelos braços que sovam o pão e o estendem às comunidades vulneráveis socialmente unificaram a produção do alimento distribuído nas composições refinada e multigrãos. “Nós vimos a possibilidade social de alimentar pessoas. Quando chegamos ao Maranhão, as pessoas dessa localidade não conheciam esse pão que, para nós, é algo comum”, relata Oliveira com os olhos embargados, após uma pausa na conversa.

 

De Passo Fundo ao Maranhão, a iniciativa solidária fez escala também na cidade de Araxá, em Minas Gerais. Com os fornos aquecidos, os voluntários mineiros, vinculados à Igreja Assembleia de Deus, reproduzem a receita escrita por Sérgio. “Quem tem fome, tem pressa. A base nacional do projeto, que embora tenha surgido em Passo Fundo, será em Minas Gerais, dentro de 90 dias. Por ser uma questão de logística e porque notamos que, mesmo sendo um estado rico, a pobreza da localidade é outra”, revela.


Comercializado a R$ 10, os pães produzidos por um único padeiro, na cidade-piloto, auxiliam na compra e manutenção dos equipamentos panificadores que, a partir de quinta-feira (2), devem aterrisar em Assunción, capital do Paraguai. “Além do pão, produzimos cucas. Aqui em Passo Fundo, 400kg de farinha são utilizados todo mês nesse pão que é 70% composto por leite. Não colocamos mais água porque o nosso objetivo é nutrir as pessoas que necessitam”, destaca Oliveira.

 

Na cidade-piloto, além do “Mão na Massa”, o Lar Emiliano Lopes ocupa as noites passo-fundenses, segundo o coordenador, distribuindo alimento a pessoas em situação de rua ou de prostituição através do projeto “Redenção”.

Gostou? Compartilhe