?EURoeQuero que seja feita a justiça de Deus?EUR?, desabafa avó de sobrevivente de acidente

Vinte e três dias após colisão que matou casal, família sofre com falta de recursos e pede ajuda

Por
· 4 min de leitura
Criança teve fraturas na perna e precisa usar colar cervical

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Germani Antunes Pereira, de 49 anos, nem poderia estar segurando o pequeno João Gabriel, de um ano e sete meses, nos braços. Depois de sofrer três infartos, em abril deste ano, foi proibida de fazer trabalhos pesados. A morte da filha e do genro, atropelados por um caminhão na RS 324, em setembro passado, lhe cobrou esta postura, quando o neto foi o único sobrevivente. “Tem dias que ele chora muito. Ele procura. Quer o pai. Quer a mãe. Tem horas que da um pânico na gente, bate um desespero”, desabafa.


Ontem, 22 dias após o acidente, Germani, uma mulher um tanto tímida, lembrava-se com detalhes de como soube da morte da filha e do genro. Os impactos disso na família, que antes vivia em oito na casa de quatro cômodos, ainda são contabilizados, e mal se podem ver no papel quando Germani fala do medo do sustento dos seus – que tinha no trabalho de catador da filha e do genro parte da renda.


No dia 30 de setembro, Gisele Pereira Venegáz, 21 anos, e o companheiro Carlos Eduardo Trelha Miranda, de 20, colocaram João Gabriel no carrinho de bebê e saíram às 11h para a casa da mãe de Carlos, que mora na Cohab, em Passo Fundo. Sem dinheiro para a passagem de ônibus, saíram a pé. Sempre, diz Germani, cruzavam pela RS 324. Às 11h26, horário que não esquecerá, é que sua outra filha, de oito anos, entrou correndo pela porta da casa anunciando que um casal com um bebê havia sido atropelado por um caminhão. A menina ouviu no rádio e Gisele não quis acreditar. Pediu para que a vizinha ligasse para a filha. As chamadas não eram atendidas. Só perto das 12h é que alguém na outra linha confirmou que o casal e a criança estavam no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP).


“Meu marido foi e eu fiquei em casa. Minha pressão subiu demais e não me deixaram ir. Até que me chamaram. Porque eu tinha que estar lá. Quando eu cheguei ela já tava morta. Teve três paradas. O menino tava na CTI. E ele [Carlos] na cirurgia. O braço dele teve que ser amputado. Mas ele faleceu à noite”, conta Germani.


Mais de 20 dias de saudade


João Gabriel só recebeu alta no dia 16 de outubro. A vizinha, Maria da Luz Anhaia, de 54 anos, sentada no sofá ao lado da porta da casa de Germani, disse que não conseguiu ir ao velório da mãe e do padrasto da criança. Seu apego era grande, sobretudo com Gisele, a quem chamava de “minha menina”. A catadora ainda estava grávida de três meses. No dia em que morreu, Maria a viu deixar a casa. “Aquele dia ela não estava muito maquiada”, lembra-se. “E eu disse: E está vindo a nossa princesinha!” É que Gisele queria uma menina. Se chamaria Isabela. Mas este também foi um sonho interrompido.


O pequeno sobrevivente é que carrega as memórias vivas. Ele fraturou os membros inferiores, precisa usar um colar cervical e, segundo Germani, nesta quinta-feira (24) ele passará por uma cirurgia.


Ajuda da comunidade


Há mais de 20 dias convivendo com a saudade, a família teme os próximos dias porque tem outros medos. É que eram Gisele e Carlos quem saiam todos os dias para recolher sucatas para serem trocadas. Além deles, o marido de Germani e às vezes outro filho, de 17 anos, também. Os outros filhos tem 11 e 8 anos. As contas fixas da família somam R$ 200 (apenas em água e luz). Mas não entram nessa soma os gastos com alimentação, leite, fraldas, brinquedos, materiais escolares, roupas e os remédios – já que Germani tem problemas de coração. “E depois da cirurgia não sei com o que mais teremos que gastar”, desabafa a avó sobre a operação de João Gabriel.


A família não recebeu auxílio do motorista do caminhão e aguarda o inquérito que investiga as causas do acidente ser concluído. Germani se limita: “Quero que seja feita a justiça de Deus”. E agora pede ajuda da comunidade. Dias atrás, conta Maria, algumas pessoas da comunidade ajudaram. “Hoje [ontem] eu fiquei desesperada porque penso que além das necessidades eles precisam conviver com a dor”, desabafou a vizinha. “E estava sentada na cadeira ao lado do fogão e disse pro meu marido que eu queria ter todo o dinheiro do mundo pra poder ajudar as pessoas. Porque não é só a situação, é a dor que estão passando.”


A família disponibilizou um telefone para que quem puder ajudar, entre em contato. Eles pedem doação de alimentos, sobretudo leite, fraldas, roupas de criança, comida e um guarda-roupas, para guardar as coisas da criança.


Inquérito


O inquérito que investiga as causas do acidente está em fase final, segundo informou a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Passo Fundo. O caso é tratado como homicídio culposo na direção de veiculo automotor, com pena prevista de dois a quatro anos mais suspensão de habilitação. A pena dependerá da interpretação do juiz que analisará o caso.


A Polícia Civil aguarda o resultado da perícia com a criança, com o caminhão e ouvir uma testemunha. Para o inquérito, segundo informações da DHPP, o motorista alegou que trafegada normalmente na via e que “ele não teve como evitar o impacto”. Também segundo a DHPP, ele disse que “as vítimas caminhavam sobre a pista”.

 

AJUDE
Doações para a família podem ser feitas através do contato:

(54) 992106420

Gostou? Compartilhe