OPINIÃO

Existem pessoas de bem

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


Vale apelar para as mais profundas razões do respeito humano, nesta hora de angústia avassaladora em que se desnuda o roubo do dinheiro do povo. Se não fosse a ação policial e dos denunciantes, do MP, imprensa, anônimos, ou delatores, a perversidade da corrupção teria tornado o Brasil o grande inferno do mundo. Sobrou pelo menos o direito de permanecermos num purgatório injusto para quem é honesto, olhando para o alto em busca de luz. É hora de apelar às mulheres de boa vontade. Mais do que buscarmos entender a onda férrea de nacionalismo liderada pelo presidente Trump, cabe-nos olhar para o exemplo de Michelle Obama, forte, ereta, incólume aos desvarios do poder, exemplo de dignidade ao lado do marido. Aqui no País, a advogada Adriana Ancelmo mostrou péssimo exemplo ao movimentar em seu escritório milhões das propinas de seu marido ex-governador do Rio. E tudo com soberba escarninha, ostentando jóias caríssimas. A mulher de Eduardo Cunha teve seus dias nababescos, exibindo fotos de compras em jóias, sapatos Louboutin, bolsas Vuitton, ou perfumes de princesa, como ilustra o jornalista Alberto Dines. É o sarcasmo de milhões da propina que jorraram com o petróleo sujo prejudicando nossa nação e países pobres da África.


Uma juíza no Supremo
Mas, em meio a esta tristeza, aqui no país tropical, surge uma voz de esperança. É a figura pálida e suave, mas de voz cortante, a ministra que preside o Supremo Tribunal Federal. Carmem Lúcia, que comanda o STF, suave e simples, aparece como figura predestinada à missão perseverante no ofício da suprema magistratura para agir com firmeza no combate à corrupção. Já deu demonstração de continuidade ao trabalho de Teori Zavascki, cuja morte exige explicações. A ministra já demonstrou sua indignação.

Ramificações
Os delatores da Odebrecht, acossados pela força do destino legal, no trabalho planejado pelo falecido ministro Teori, concentram a espera por vigorosas denúncias. A presidente do STF chancela o ritual de reconhecimento das delações para homologação. Carmen Lúcia vence a consternação e assume posição firme que o momento exige. Ao mesmo tempo, países da África, Panamá e Guatemala confirmam a ramificação da propina com participação da Odebrecht.

Abalo
As empresas de grande porte envolvidas na corrupção certamente acumularam lucros fantásticos. Não veem o doloroso desemprego que causaram. A voracidade do lucro torpe não levou em conta a advertência milenar dos romanos “camellus cornua cupiens, aures perdidit” (o camelo, desejando ter chifres, perdeu as orelhas). O clima instalado por esses mega grupos do Brasil é devastador e atenta contra o esforço de nacionalidade. O roubo deixa rastro sinistro de descrença e uma orfandade para a empresa nacional.

Desguarnecido
Segmentos que dependem de vigilância permanente já não recebiam atenção há mais tempo. Fala-se hoje em forças do Exército Nacional e Polícia Federal como socorro de urgência para guarnecer as fronteiras por onde são traficadas armas e o tóxico. Num governo sem a necessária credibilidade, onde acusações derrubam ministros a cada momento, fica mais difícil vigiar uma fronteira de 16 mil quilômetros. Por isso a meta de estabilização fica mais lenta.

Escândalos
Nos estados e municípios a crise aponta a injustificável diferença de seriedade nas administrações. Os escândalos revoltam comunidades carentes.

Passo Fundo
Felizmente, nosso município que foi presidido em duas gestões de Airton Dipp e agora Luciano Azevedo no segundo mandato, mantém a seriedade. Esse cuidado é alento para vencermos um período que apresenta desafios.

Retoques:
Já pensou no que reserva um período de cadeia que pode ser realidade para criminosos de elite da Lava Jato e outras operações policiais?
Muro na fronteira com o México, restrição a imigrantes de países muçulmanos e o nacionalismo imprevisível do presidente Trump podem ser estopim ao terrorismo.

Gostou? Compartilhe