OPINIÃO

Falta filosofia social

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os observadores da economia são como pirilampos do marketing. Aparecem e saem de cena como querem. Relacionam causa e efeito subordinados aos sintomas sustentados por uma realidade aparente e números supostamente fáticos. Como faz falta o saudoso Joelmir Beting, jornalista sociólogo que não se satisfazia em analisar a situação das finanças sob o ponto de vista apenas do mercado do automóvel. É claro que economista fala especialmente do mercado e faces pertinentes. Cada macaco no seu galho. O problema é que a palavra do economista sectário ecoa na mídia como predominante, principalmente em comparativos com os demais países do planeta. Ainda que necessário o foco opinativo isento de ilações reducionistas sobre a realidade, talvez pela omissão de arautos da compreensão histórico social, prepondera a exposição de estatísticas. E nos apegamos demasiadamente a elas. Com esse quadro de informação sofremos a indução a um conformismo que desvaloriza as vontades populares. Ainda que indispensável a relação com dados numéricos, sentimos falta da filosofia social.

Os destinos
Poucos brasileiros, como Milton Santos (falecido), um negro que ganhou espaços nos foros sociais do mundo, praticaram com coragem o dever de abordar o presente e o futuro. Milton incitou ações racionais e transformadoras. O Alemão Jürgen Habermas sintetiza pensamentos que envolvem a ação humana, especialmente na obra “A Teoria da Ação Comunicativa”. Habermas, apreciado pela ênfase na construção de espaços de conscientização abrangente no campo da sociologia e do direito, aposta no consenso de uma comunicação entre segmentos e suas verdades. No Brasil, o espectro da comunicação é incipiente e carrega volume massacrante de colagem. Essa reprodução constante esconde aspectos fundamentais para que a sociedade civil construa sua força política. O momento social e histórico é o mais rico e propício para a vertente das mudanças urgentes. É a hora de assentirmos ao sacrifício útil da potencialidade brasileira, com ânimo democrático, mas com a intenção forte de que o povo possa tomar seu destino nas mãos. Não há nada que não possa ser mudado.

Decadência
A soberania popular sente-se abalada com a decadência na esfera pública. E não se pode parar por aí, esperando apenas que a polícia faça o combate à corrupção nos setores públicos e privados. Esta é uma etapa valiosa que desperta o sentimento de punidade. É a prova de que nem tudo está selado como domínio dos males contra a nação. A frustração reside nas facções de representação partidária, ambas com culpa escandalosa, tanto num governo que sai como no governo que assume. O momento novo ainda não chegou. E só a permanente ação da sociedade majoritária e decente pode encaminhar o país.

Nada fácil
Vemos a típica atitude simplista em buscar a estabilidade financeira do tesouro. É bom lembrar que estamos buscando soluções fáceis. A venda ou entrega do patrimônio nacional precisa ser vigiada rigorosamente. Há necessidade de recursos, mas não podemos trocar tudo por um prato de lentilha, como fez Isaú a Jacó, citado na bíblia. Do sacrifício necessário só temos o desemprego. Bancos e altos salários oficiais são ainda intocáveis.

  

Retoques:
* Para quem imagina que país rico não tem problema, o presidente dos EUA alerta: o pavor coletivo pelo terrorismo ou o radicalismo racial não podem levar os norte-americanos a um estado policialesco.
* Como todas as coisas, a modernidade é ótima. Mas os cuidados devem ser maiores. A pedofilia, mal devastador, tem avançado com a comunicação eletrônica. Não é bem assim, mas os psicopatas covardes parece que são encorajados a agir em novas formas de anonimato.
* O fundamento de honradez do cidadão, e muito mais dos políticos, é causa nacional. A permanência de Cunha, e outros, no parlamento nacional derruba demais a cotação ética. Varrer essas coisas é bom começo!

Gostou? Compartilhe