OPINIÃO

Fatos 01.09.2016

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Prêmio de consolação ou 'Mea Culpa'
A manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff é uma espécie de 'mea culpa' ou prêmio de consolação. Em outras palavras: o que interessava mesmo era tirá-la da Presidência da República e não da vida pública. A votação em separado da cassação do mandato e dos direitos políticos foi articulada pelo senador Renan Calheiros, embora o advogado de Dilma, Eduardo Cardozo tenha negado qualquer negociação neste sentido. O resultado não agradou o agora presidente Michel Temer. Ele disse que deve ficar claro que o governo não negociou nenhuma concessão e já mostrou como deve verdadeiramente governar: não vai perdoar quem contrariar determinações do governo.

Confusão

A decisão de permitir habilitação para exercer funções públicas, ficou confusa num primeiro momento. Ela estaria habilitada a concorrer a cargo eletivo? Sim, Dilma poderá concorrer se quiser. Improvável que o faça. Poderá, talvez, aceitar convite para exercer cargo público. Por enquanto, muda-se para Porto Alegre, onde vai passar um período reclusa.

Três presidentes

O 31 de agosto foi histórico também pelo fato de ter tido três presidentes no mesmo dia: Até sofrer o impeachment, por volta de 14h, Dilma estava no cargo, mesmo afastada. Depois das 16h, assumiu Michel Temer. À noite, o deputado Rodrigo Maia passou a responder pela presidência, já que Temer viajou para fora do país. Três presidentes no mesmo dia. Não é para qualquer país.

Para pensar

O PMDB chega pela terceira vez à Presidência da República. Em todas, sem o batismo das urnas.

 

 

Gostou? Compartilhe