OPINIÃO

Fatos 03.12.2016

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Exemplo
Se o povo brasileiro estava desesperançoso e frustrado, agora tem uma razão para olhar adiante e voltar a acreditar na humanidade. Os colombianos resgataram a esperança acalentada no peito. Deram exemplo em organização. Estão nos ajudando a enfrentar este momento difícil, de perda, de despedidas, de profunda e inexplicável dor. Os colombianos foram eficientes, prestativos, foram educados, solidários, ágeis, respeitosos, transparentes. Nos mostraram que o mundo pode ser outro e bem melhor quando agimos com bondade. Bondade talvez seja a síntese de tudo. Tão fácil de ser acessada, basta aflorar o que já nos pertence. É um alento em meio a tantos desgostos. Uma luz!

Enquanto isso...
Está na Folha de São Paulo: “Pai de jogador da Chapecoense pede vergonha na cara a Temer: 'eu não vou até o aeroporto cumprimentar o presidente. A pessoa importante aqui hoje somos nós e os nossos filhos que morreram. Ele que venha até nós", afirmou.”

Pacote
A votação do pacote do governo do Estado na Assembleia legislativa deve começar no dia 20. Cada ponto das 40 medidas distribuídas em 24 projetos, terá um resultado. O governo sabe que terá derrota em alguns destes pontos, mas conta com a aprovação do que entende por necessário no ajuste da máquina administrativa.

Tão atual
“Um dia como hoje, meu mestre William Faulkner disse: “Eu me recuso a aceitar o fim da humanidade”. Não seria digno de mim estar num lugar em que ele esteve se eu não tivesse plena consciência de que a tragédia colossal que ele se recusou a reconhecer, 32 anos atrás, é agora, pela primeira vez desde o começo da humanidade, nada além de uma simples possibilidade científica.
Cara a cara com esta realidade horrenda que pode ter parecido uma mera utopia em toda a existência humana, nós, os inventores das fábulas, que acreditamos em qualquer coisa, nos sentimos inclinados a acreditar que ainda não é tarde demais para nos engajarmos na criação da utopia oposta.
Uma nova e avassaladora utopia da vida, onde ninguém será capaz de decidir como os outros morrerão, onde o amor provará que a verdade e a felicidade serão possíveis, e onde as raças condenadas a cem anos de solidão terão, finalmente e para sempre, uma segunda oportunidade sobre a terra.” Gabriel Garcia Marques no discurso que fez quando recebeu o prếmio nobel de literatura.

Gostou? Compartilhe