OPINIÃO

Fatos 04.05.2016

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Julgamento político

De posição conhecia sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a senadora Ana Amélia Lemos, PP, disse que a sociedade não pode mais pagar esta conta e que a decisão do Senado terá embasamento técnico, mas será político, sem sombra de dúvidas. Na avaliação de Ana Amélia, os depoimentos técnicos dados nos últimos dois dias, tanto a favor como contra, ajudaram os senadores a construir melhor o entendimento a respeito do processo. Quanto a um eventual governo de Michel Temer, no caso de afastamento da presidente Dilma, Ana Amélia disse que se o PP for chamado, deve contribuir, mas defendeu a independência do partido neste momento, por entender que desta forma cumprirá seu papel.

Oposição

Ana Amélia disse ainda que, o governo de Temer não será nada fácil e vai enfrentar a oposição organizada do PT. “O PT é incompetente para governar, mas sabe fazer oposição como ninguém”, acentuou. 

Posição

Ana Amélia, assim com o senador Lasier Martins que foram entrevistados por O Nacional na semana passada, também falaram ao Café Expresso, da Rádio UPF, na segunda e terça-feira respectivamente. Hoje será a vez de ouvir o senador Paulo Paim, PT.

Pedágios

Não foi fácil o debate em torno do projeto que muda o sistema de concessão das rodovias. A oposição tornou difícil a votação do projeto e reclamou o pouco tempo de análise da proposta. O deputado Juliano Roso, PCdoB, por exemplo, disse o projeto impactará vida dos gaúchos por 30 anos, mas só tramitou 30 dias na Assembleia. Reclamou que pediu audiência pública, mas não foi atendido.  

Lava Jato

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal a inclusão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de três ministros do governo, do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e de parlamentares do PMDB, entre outros acusados, no principal inquérito da Operação Lava Jato. A petição chegou ao Supremo no dia 28 de abril, mas só foi tornada pública ontem.  

 

Gostou? Compartilhe