OPINIÃO

Fatos - 05 e 06/01/2013

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Reforma I
É urgente que se faça uma reforma político-partidária no Brasil. Obviamente que isso contraria os que deveriam ter a ética de promover as mudanças para evitar o clientelismo governista. O que assistimos hoje, em todas as esferas de Poder é um tal de apoio aqui e apoio ali em troca de cargos (emprego para a companheirada). Os governos estão longe de atuações programáticas e ideológicas. O sistema atual é amarrado de tal forma que fica impraticável a governabilidade sem a parceria de partidos que, em passado recente, eram adversários ferozes. Alguém imaginou, por exemplo, a presidente Dilma Rousseff, PT, administrar o país sem o apoio do PMDB e do PP? Impossível.

Reforma II
Impossível pelo atual sistema e porque não há qualquer interesse em mudar esta forma perversa instalada no Brasil. E esta situação acaba dando margem para coisas piores como a corrupção, o desmando, a lavagem de dinheiro e o enriquecimento ilícito daqueles que dizem nos representar.

Lado
A coluna já havia dado a informação no ano passado e a confirmação chega agora. O PR deve ser o 13º partido a integrar a aliança do prefeito Luciano Azevedo. Era apenas uma questão de tempo. O convite foi formalizado esta semana e a executiva vai se reunir na segunda-feira para dar o ok. Com isso, Leandro Bussoloto, atual presidente do partido, que comandou o Hospital Municipal Cesar Santos e também foi auditor na administração do prefeito Airton Dipp, deve permanecer na Auditoria. O PR é um partido pequeno que esteve dividido na campanha eleitoral. Enquanto o grupo de Flamino Mello de Lima defendia a aliança com Cecconello/Bilibio, Bussolotto demonstrou apoio a Luciano/Juliano.

Exemplo
A Câmara de Vereadores de Marau dá um belo exemplo. Mudou o seu regimento interno de forma que no ano em que há troca de vereadores não haverá recesso. Por isso, a Câmara fará sua primeira sessão plenária já na próxima segunda-feira, às 19h. Será conduzida pelo presidente eleito Silvio Borgheti, PSB. Marau tem nove vereadores e na eleição passada renovou 90%.

Vale
Servidores da Câmara de Vereadores que buscaram receber o vale-transporte na manhã de ontem foram surpreendidos ao ouvir do setor administrativo que o valor correspondente seria depositado em 30 dias. A medida foi explicada com a lei da reforma administrativa que, entre outras medidas, transformou o vale-transporte em pecúnia. O que deveria ser uma opção se tornou alternativa única. O que o setor competente não explicou é como os funcionários devem se locomover até à Casa durante este período. Um constrangimento para quem depende do benefício previsto em lei para o deslocamento.

 

Gostou? Compartilhe