OPINIÃO

Fatos - 05/03/2015

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De um lado
Se não havia amparo jurídico para iniciar um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, desde segunda-feira passou a existir um componente político a ser considerado. A relação do PMDB com o governo está pisando em ovos (podres). Depois de ter sido informado sobre a inclusão do seu nome na lista de envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás, Rena Calheiros devolveu ao governo a Medida Provisória que pretendia acabar com a política de desoneração. Em outras palavras é um pedido para negociar: me ajuda com isso, que eu te ajudo com aquilo. De outra parte, se a oposição quiser levar adiante qualquer intenção de abertura de processo de impeachment, precisará do PMDB para garantir o debate no Congresso. Em política, tudo o que parecer ser, é só uma ilusão de ótima. As coisas mudam em segundos. Mas, é importante dar atenção aos detalhes.

De outro
Um dos cientistas políticos ouvidos pela BBC Brasil, na semana passada, Matthew Taylor, pesquisador do Brazil Institute, órgão do Woodrow Wilson Center e professor da American University, em Washington, faz uma ponderação importante sobre a inviabilidade do impeachment. Para ele, não há interesse da oposição em que Dilma deixe a presidência. É mais importante, na concepção do especialista, que ela se desgaste com as medidas que deve adotar agora para colocar a máquina nos trilhos, do que deixar que a bomba estoure nas mãos do PMDB, por exemplo.

Caminho
A insatisfação do PMDB com o Planalto, não é pela distribuição de cargos, mas por ficar alijado do processo de decisões do governo. O gesto de Renan Calheiros abre caminho para um PMDB independente no Congresso.

Comissão
O tema ela conhece como ninguém. A senadora Ana Amélia Lemos, PP, vai comandar a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado. Na primeira sessão já foram aprovados três requerimentos de audiências públicas, sendo um dos temas o movimento dos caminhoneiros. Também foram aprovados ciclos de debates e o primeiro deles será na Expodireto, em Não Me Toque, dia 13, e vai tratar do emplacamento de máquinas agrícolas e a logística do setor rural.

Perdoado
O decreto de indulto de natal beneficiou um dos condenados do mensalão. José Genoino, PT, teve a pena extinta pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). É o primeiro dos réus condenados a se livrar da pena.

Gostou? Compartilhe