OPINIÃO

Fatos 05/09/2012

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os vices
O debate realizado ontem pelo Grupo O Nacional e Rádio Planalto com os cinco candidatos a vice-prefeito reforça pontos óbvios da campanha. Primeiro, o alvo da oposição foi a administração municipal. A tática é conhecida de qualquer debate político e assim sempre será. Mesmo assim, os candidatos Juliano Roso, PCdoB, e Rafael Bortoluzzi, PP, quando no bloco de perguntas livres em que eles podiam escolher o candidato, não se dirigiram ao candidato Bilibio. Não houve confronto direto.  O cruzamento dos candidatos se deu nos blocos em que houve o sorteio de quem perguntou e quem respondeu.

Função
De uma forma geral, o debate proporcionou a que o eleitor tenha conhecimento do grau de capacidade dos candidatos. Há muito, a condição de vice deixou de ser figurativa numa administração, em qualquer esfera. Ele tem papel preponderante na execução do programa de governo, compondo o secretariado ou assumindo funções executivas de destaque.

Confusão
Os candidatos (e falo de todos) teimam em confundir o eleitor com promessas que não são de atribuição do município, ou com propostas mirabolantes que jamais serão cumpridas. O pior é que, por ignorância, tem eleitor que acredita.

Desempenho
É consenso o bom desempenho de Bradimir da Silva e Ana Clélia, PSTU, nesta campanha. Os dois estão afinados para o propósito de fazer uma campanha voltada aos interesses dos trabalhadores. Articulados, estão mandando ver nos debates.

Dica
“O eleitor comum (que é a maioria), não entende e nem segue a lógica dos partidos ou as negociações dos candidatos. O eleitor comum vota em quem ele simplesmente gosta mais entre os concorrentes que está vendo. Simples assim.”  Fica a dica do Estrategista eleitoral e diretor da ABCOP, Paulo Di Vicenzi.

Gostou? Compartilhe