OPINIÃO

Fatos - 07/11/2012

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desenvolvimento

Confiança e competência de gestão foram pontos determinantes para que o prefeito eleito de Passo Fundo Luciano Azevedo optasse pelo empresário Carlos Eduardo Lopes da Silva para comandar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. O anuncio foi feito ontem à tarde e encerra a expectativa a cerca de quem substituiria Marcos Cittolin, o atual secretário.  Carlos Eduardo é um executivo de sucesso. Proprietário da Unilab Laboratório de Análise de Sementes, empresa com sede em Passo Fundo, é também filiado ao PPS, amigo pessoal e talvez o mais próximo de Luciano. Os dois se conhecem desde os tempos de escola.

Experiência

Engenheiro Agrônomo por formação, Carlos Eduardo foi diretor do Banrisul Armazéns Gerais no governo de Yeda Crusius, por indicação de Luciano. Assumiu uma empresa pública com dificuldades financeiras e a entregou com superávit e sem apontamentos pelo Tribunal de Contas. O novo secretário de Desenvolvimento reúne os requisitos essenciais para o que deseja o futuro prefeito: é um técnico, com experiência na administração pública e filiado a um partido.

 Carta

Ao analisar a escolha, Luciano disse que Carlos Eduardo tem sua mais alta confiança e o nome estava sendo reservado como curinga para ocupar  uma espécie de Secretaria Geral de Governo. A intenção inicial era manter Cittolin na condução da pasta, caso o PSB sinalizasse com a possibilidade de aliança, o que não ocorreu. “Mantenho avaliação de que o Desenvolvimento vem sendo bem conduzido, mas também estará em boas mãos com Carlos Eduardo”, disse o prefeito eleito.

Denuncia

O Ministério Público Federal denunciou o prefeito de Uruguaiana, Sanchotene Felice, por dispensar licitação e comprar irregularmente medicamentos do programa Farmácia Popular do Brasil.  A 4ª seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), por unanimidade, aceitou a denúncia e os acusados terão de responder a processo criminal.

 

Gostou? Compartilhe