OPINIÃO

Fatos - 11-12/10/2014

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Perdas
Uma das maiores perdas eleitorais para Passo Fundo, sem dúvida alguma, é o fato de Beto Albuquerque estar sem mandato. Deputado pelo município desde a década de 1990 (estadual e federal), o parlamentar fez a diferença para inúmeras entidades, instituições e para a comunidade de um modo geral. No ano passado, Beto destinou mais de R$ 6 milhões em emendas no orçamento da União para Passo Fundo. Dinheiro que veio para hospitais, unidades de saúde, reformulação da Praça Marechal Floriano (concluída), para a reforma do Parque da Gare, Academias ao Ar Livre e laboratórios de informática em várias escolas públicas. Recursos federais que deixarão de vir pelas mãos do nosso mais ilustre passo-fundense. Lamentavelmente, o eleitorado local não entendeu a necessidade de ter um representante. Pulverizou os votos. Hoje estamos órfãos de representatividade federal e na lista da adoção.

Destino
Mas, na história política de grandes homens públicos, o amadurecimento se dá justamente com a adversidade. Beto, que iniciou o processo eleitoral com uma reeleição certa para deputado federal, decidiu investir na candidatura ao Senado enfrentando dois gigantes na disputa (Lasier e Olívio), mas acabou tendo que abraçar a disputa como vice-presidente na chapar de Marina Silva, depois que um trágico acidente interrompeu a vida de Eduardo Campos. Não foi eleito, mas alçou um voo político inimaginável. Tornou-se figura conhecida nacionalmente e credenciado para comandar o PSB nacional. É nome certo para compor governos estadual e federal, na hipótese de vitória tanto de José Ivo Sartori, no RS, ou Aécio Neves, para presidente.

Voo
Se de um lado, Passo Fundo perde espaço no Congresso e deixa de ter um representante seu que luta por conquistas locais, ganha um homem público de representatividade nacional, capaz hoje de estar à frente de qualquer mobilização.

Reforma
O sociólogo Ginez Leopoldo de Campos, atento ao processo eleitoral, acredita que a reforma política, tão esperada pela população brasileira, deve discutir o fim das pesquisas eleitorais. Segundo ele, são indutivas e atingem principalmente os eleitores menos críticos. O resultado, assistimos no primeiro turno, quando praticamente todos os institutos erraram as consultas.

Rede social
O candidato Aécio Neves gravou um vídeo direcionado para os grupos de whatsApp. Na fala ele pede o voto e ainda solicita que o vídeo seja repassado para mais grupos. Diz que é hora de mudança. Ele aposta na rede social para chegar ao público internauta. O PT também já vem fazendo esta aposta muito forte desde o primeiro turno

Obras
O Bairro Integração comemora a aprovação dos projetos do empresário Renato Miranda junto ao DAER e com licenciamento. As obras na RS 324 preveem uma pista paralela e também um trevo de acesso às comunidades e ao novo empreendimento do empresário, com investimento em torno de R$ 2 milhões.

 

 

 

Gostou? Compartilhe