OPINIÃO

Fatos - 11/05/2016

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sacramentado
O Senado dará hoje o segundo passo decisivo para o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O primeiro foi dado pela Câmara dos Deputados, no dia 17 de abril. Confirmando-se os 50 votos favoráveis ao prosseguimento do processo (precisaria de apenas 41) Dilma será afastada e assume temporariamente o vice Michel Temer, por até 180 dias. Não há mais volta em um processo que iniciou ainda na campanha eleitoral. Como candidata, Dilma mentiu sobre a real situação do país, enquanto seus adversários tentavam provar a crise iminente. Ao lado da candidata, sabedor do que se passava, estava o até então discreto Michel Temer. Um mês após tomar posse, a reeleita presidente, não pode mais esconder o que todos alertavam: o país estava à beira de uma de suas piores crises. Enquanto isso, o PMDB tratava de comandar o Senado (Renan Calheiros) e a Câmara, com o desafeto Eduardo Cunha. A partir daí estava selado o fim do governo Dilma e da era petista. Junta-se uma crise econômica, agravada pela crise política, a uma população insatisfeita e partidos com sede de poder, tem-se o cenário perfeito para o impedimento. O que menos interessa aqui é se há, de fato, crime de responsabilidade pesando contra a presidente. Os interesses vão além da nossa simples capacidade analítica. O tempo é o senhor da razão. Ele dirá!

Dois terços
Sacramentado, porque no período de até 180 dias, prazo que o Senado terá para julgar a presidente Dilma Roussef, será mais fácil conseguir os 54 votos necessários, partindo de 50, do que partido de 20, que é o número de senadores que devem votar contra o impeachment.

E aí? (parte II)
Desfazer um ato que tentava anular uma decisão. No resumo da ópera: patético.

União
Comissão do movimento pró-asfaltamento da BR 153, Transbrasiliana, e da duplicação da BR 285 entre Passo Fundo e Carazinho, aguarda manifestações escritas dos prefeitos da região para juntar ao documento final com as assinaturas coletadas. Prefeitos precisam colaborar e entender que a luta é regional e que sem união de esforços não se vai a lugar algum.

Projeto
Aprovação do projeto do vereador Renato Tiecher, PSB, proibindo a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas, dará o argumento legal para que a Brigada Militar atue contra a bagunça generalizada que se estabeleceu no centro da cidade de segunda a segunda-feira. É preciso ter coragem para quebrar paradigmas e para iniciar uma mudança de cultura.

Curtas
* É forte o comentário em Carazinho de que o deputado federal Ronaldo Nogueira, PTB, está indicado para o primeiro escalão do governo Temer.
* Presidente estadual do PSB, Beto Albuquerque defende que o partido pode ajudar o país a sair da crise, mas sem participar do modelo ‘presidencialismo de coalizão’.
* Até o momento, Carlos Armando Salton segue firme no propósito de candidatura própria pelo PDT.

Gostou? Compartilhe