OPINIÃO

Fatos 13.06.2019

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Esforço em vão
O relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), decidiu ontem à tarde retirar Estados e municípios do relatório, que vai apresentar hoje. A decisão foi tomada depois de uma reunião com líderes do Centrão e contraria completamente o que mais de 20 governadores pediram na terça-feira em Brasília. Os entes federados poderão voltar a serem incluídos na reforma no plenário, por emenda, mas ele não acredita que haverá votos para isso. Há uma tendência de que a capitalização fique de fora, o que ainda não foi batido o martelo. Além disso, o relator deve restringir o pagamento do benefício do abono salarial a quem ganha até 1,4 salário mínimo (R$ 1 397,20), o que reduziria o impacto da medida em cerca de R$ 80 bilhões. A decisão de retirar estados e municípios do parecer deve-se ao fato de que o relatório poderia não ser aprovado em plenário. Preciso de 308 votos e o próprio governo não está articulado para buscar este número. A inclusão de estados e municípios significaria perder, pelo menos, 50 votos. Neste caso, ignorando a situação de calamidade financeira dos estados, como é o caso do Rio Grande do Sul, o corporativismo falou mais alto.

O que deve mudar

O parecer do relator deve mudar basicamente os seguintes pontos:
• Idade mínima para professores: 55 para mulheres e 57 para homens;
• Retirada do regime de capitalização;
• Manter as regras atuais de aposentaria rural;
• Manter as regras atuais de concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC), idosos e a deficientes carentes;
• Desconstitucionalização da Previdência.

Relação promíscua

Para o advogado criminalista Jader Marques, o dia 9 de junho ficará na história do mundo jurídico porque a revelação dos diálogos entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol trazem à tona o que muitos juristas tentavam comprovar e não conseguiam: a relação promíscua existente entre alguns procuradores com membros do judiciário. “Sabemos que não é a regra, mas há, sobretudo, com essa feição punitivista inquisitorial do processo brasileiro, tendência a formação de uma espécie de força tarefa em que a acusação é escudada por juízes que abandonam o seu lugar de imparcialidade e passam a jogar o jogo do processo com um lado a partir uma determinada perspectiva”, completa.

Uma questão de ética
Marques foi um dos palestrantes na noite de abertura da Semana Acadêmica e Congresso Internacional do Direito da FD da UPF, terça-feira. Para o especialista o processo brasileiro auxilia que isso aconteça, pois quem defere as cautelares, prisão e atua nas investigações é o mesmo juiz que vai julgar a causa. “O que as gravações revelam é que o magistrado, almejando um resultado atua ao lado da acusação”, diz. Segundo ele, pedir que um juiz seja imparcial é mais que jurídico ou legalista, é um pleito ético.

Cautela

A presidente da Subseção da OAB de Passo Fundo, Morgana Bordignon, segue o entendimento do presidente estadual da Ordem Ricardo Breier de que o Conselho Federal da entidade se precipitou ao recomendar que Sérgio Moro e Deltan Dallagnol deixassem seus cargos. “Se estas conversas realmente existiram, elas devem ser apuradas e os envolvidos devem ter o direito de defesa. Não podemos extirpar as pessoas de seus cargos sem provas de que houve ilícito”, justifica. Para ela, o presidente estadual da OAB tem razão ao recomendar prudência neste momento.

Escolas

O governo do Estado pretende retomar o convênio com as universidades para dar continuidade a elaboração de projetos da rede elétrica e execução dos mesmos nas escolas públicas. A afirmação foi feita ontem pelo secretário Estadual da Educação, Faisal Karam, durante visita que fez à UPF. Segundo Karam, no fim do ano passado os convênios feitos pelo governo anterior precisaram ser cancelados por uma questão legal e porque não havia recursos para mantê-los. Isso gerou a descontinuidade do processo que está sendo retomado na medida em que há orçamento. O secretário disse ainda que a maioria das 2.466 escolas apresentam problemas na rede elétrica como ocorreu com três escolas de Passo Fundo que precisaram ser interditadas parcial ou totalmente. “Estamos resolvendo caso a caso, dependendo a urgência”, atestou. Reconhece que a parceria com as instituições superiores é mais econômico para o Estado, além de proporcionar a estudantes universitários a possibilidade de executar na prática o que aprendem em sala de aula.

Gostou? Compartilhe