OPINIÃO

Fatos - 14-15/03/2015

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 Pela ordem

As manifestações públicas, desde que dentro da ordem preconizada pela nossa Constituição, são garantias incontestes dos cidadãos brasileiros. O protesto marcado para este domingo está cercado de expectativas por ter sido organizado a partir de vários grupos e com intenções que misturam a indignação com as medidas econômicas adotadas pelo governo para conter a crise, com uma tentativa de estender um processo eleitoral encerrado, de forma legítima, em outubro do ano passado e que garantiu a reeleição da presidente Dilma Rousseff. O slogan de fora Dilma não está contextualizado porque a remota hipótese de que ele se efetive seria um golpe contra a democracia, recentemente conquistada pelo povo brasileiro. Por essas razões, sim, proteste, se tiver indignado com algo ou se sentir vontade. Mas não extrapole este direito, servindo a interesses obscuros. Por um protesto pacífico.

Expectativa
A sexta-feira de protestos pró-Dilma, em todo o país, teve momentos de tensão no mercado financeiro. O dólar disparou e chegou a ser vendido a R$ 3,27, a maior alta desde 2003. A repercussão do escândalo da Petrobrás, e as manifestações marcadas até domingo deixaram o ambiente político e econômico ainda mais agitados. A CNBB divulgou nota alertando para o risco do enfraquecimento da ordem política.

Manifesto
Em Passo Fundo, um grupo de juristas fez uma espécie de manifesto lembrando que o país não pode “negar o sentido de uma eleição democrática e substituí-la por arranjos administrativos pré-determinados ou por outra eleição”. O manifesto está publicado na edição deste final de semana de O Nacional. Assinam o documento, advogados, professores do direto, promotores de Justiça, defensores públicos e juízes.

Nova proposta
A Prefeitura de Passo Fundo e o Sindicato dos Servidores Municipais de Passo Fundo (Simpasso) voltaram a se reunir na sexta-feira (13) para tratar da reposição salarial do funcionalismo público. O Executivo ofereceu 5,6% de reajuste, aumentando a proposta anterior que havia sido de 5%, mas o Simpasso voltou a rejeitar a proposta. Segundo o secretário de Finanças, Gilberto Bedin, o índice fica acima da previsão orçamentária do Município e que cada ponto percentual de reajuste representa um desembolso de aproximadamente R$ 2 milhões por ano para os cofres públicos.

Realista
O resultado da Expodireto Cotrijal, apresentado no final de sexta-feira pelo presidente Nei Mânica, foi realista. Os negócios não superaram os do ano anterior, como vinha historicamente ocorrendo. Foi menor quase R$ 1,1 bilhão. É o retrato da situação econômica do país. No caso do agronegócio, o que se percebe é muita cautela antes da efetivação dos negócios.

Gostou? Compartilhe