OPINIÃO

Fatos 16.10.2019

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O cobrador do passado

O jornalista Fernando Albrecht, em uma de suas colunas no Jornal do Comércio, em 2017, contou a história dos homens de vermelho, cobradores que atuaram a partir do final dos anos de 1950 na Capital gaúcha. Pertenciam a uma empresa privada, que montou um negócio lucrativo para cobrar dívidas dos cidadãos porto-alegrenses. Eles vestiam roupas vermelhas, da cabeça aos pés. Nas costas, em letras garrafais, a palavra cobrador não deixava dúvidas de quem eram. Quando batiam em alguma residência ou empresa provocavam o maior alvoroço. Era uma vergonha sem fim, um escândalo receber a visita de um homem de vermelho e ser cobrado de forma pública. Segundo o jornalista, o negócio acabou caindo no esquecimento anos depois porque os cobradores também sofreram muito no exercício da função. Foram agredidos e escorraçados dos locais. “...um ofício evidentemente para corajosos ou seduzidos pelos ganhos relativamente bons”, lembrou o jornalista.

O cobrador do futuro

Com uma taxa recorde de inadimplência, atingindo 63 milhões de brasileiros, em abril deste ano, segundo a Serasa, cobrar não é uma tarefa fácil. Mas se modernizou, e muito, nos últimos anos. Ao ponto de instituições bancárias, operadoras de cartão, grandes redes de lojas investirem milhões de reais em estratégias para recuperar os valores devidos e até, evitar a dívida. Muitas operadas, especialmente de TV a cabo, celular, Internet que usam a estratégia de disparar mensagens via SMS, whats, ou email, 15 dias antes de vencer o boleto. E elas se multiplicam na medida em que a data vai se aproximando. Agora, experimente atrasar um dia o pagamento! Daí, a cobrança perde a compostura. Ligações uma atrás da outra até você cansar. E se não atendeu ao celular, ligam para o seu emprego, na hora do expediente.  A questão não é cobrar quem deve, mas a forma agressiva e invasiva com que se faz, ultrapassando o limite do razoável.

Correção  

Um leitor atento da coluna, Agenor Pauleto, observa um lapso cometido pela colunista nos tópicos sobre a guerra comercial entre Estados Unidos e China, publicados na edição de ON do fim de semana. Não está citada a fonte do conteúdo. Imperdoável! Feita a devida correção no site de ON, e agora no impresso, a análise sobre os reflexos da guerra comercial foi apropriadamente feita pela diretora de Agronegócio da Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agronegócio (Acisa) de Passo Fundo, Fabiana Venzon.

Circula nas redes

Já havia abordado em outra ocasião este tema, mas volto a ele, porque realmente chama a atenção o grau de transformação. O Hospital Municipal César Santos, que sequer tinha alvará, e agora tem, passa por uma reestruturação digna de aplausos. A obra que amplia e revitaliza a instituição de saúde dará novo aspecto não só ao hospital, mas para toda aquela região, que parecia um cantinho abandonado  da cidade.  E a foto comparando o antes e o depois (embora a obra não esteja concluída) compartilhada pelo prefeito Luciano Azevedo e replicada por várias pessoas, demonstra claramente de que mudança estamos falando.  Há muita expectativa para saber como vai ficar. Só reforçando que tem participação do ex-deputado Beto Albuquerque, que destinou verba de emenda para o HMCS.

 

Gostou? Compartilhe