OPINIÃO

Fatos 18/03/2015

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O diálogo

Quem serão os protagonistas do diálogo? O governo acenou que quer conversar com os movimentos sociais. O mesmo aceno feito em 2013 depois da onda de protestos violentos pelo país. Não deu em nada, porque o movimento rejeitava partidos e líderes políticos. E agora? Quais são as lideranças e entidades representativas que sentarão à mesa com o governo para estabelecer uma pauta positiva? A ausência de representatividade das manifestações pode levar ao vazio, mais uma vez.  Nosso sistema político depende da organização partidária e de líderes para fazer o papel de representantes da massa. Sem comando, uma multidão é só uma multidão na rua. A pressão das ruas tem que se materializar em outras esferas, através de representantes. Talvez o movimento de 2015 seja um pouco diferente dos anteriores porque, sim, há partidos políticos envolvidos. Resta saber quem tomar a dianteira.

Será o PMDB?

O PMDB tem se movimentado no sentido de protagonizar. Comanda o Senado e a Câmara dos Deputados. Renan Calheiros e Eduardo Cunha já deram sinais de que atuam de forma independente, mesmo estando na base aliada. O recado do vice Michel Temer para que o governo seja humilde e admita os erros, é instigante. E ontem, o PMDB decidiu apresentar proposta de reforma política propondo, entre outras coisas, o fim da reeleição e financiamento de campanha privado de forma parcial. A proposta não tem nenhuma similaridade com os principais tópicos defendidos pelo PT. Estou entendo bem, ou o PMDB está cada vez mais afastado do governo? 

Correção

Uma correção necessária: a presidente Dilma Rousseff sancionou o Código de Processo Civil e não Código Civil como a colunista escreveu ontem. Há diferença entre os dois. Explicação de um advogado especialista repõe a informação da forma como deve ser: O Código Civil trata do direito material e o Código de Processo Civil (o sancionado) dos procedimentos e garantias do processo. Sem processo não há como alcançar os direitos materiais que estão no Código Civil, no que se refere a direitos privados. O CPC, que trata dos procedimentos, é a vida do direito, na verdade.

Fortunati

O PDT que já não vem de bons desempenhos agora estraçalhou de vez. Ao se licenciar do partido, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti, expôs a crise vivida pelos trabalhistas há muito tempo. Fortunatti não deixou a sigla, porque correria o risco de perder o mandato, apenas se licenciou. A decisão foi tomada depois de uma série de derrotas na Câmara de Vereadores muito por conta da postura quase que de oposição da bancada pedetista à administração municipal.

Disputa

Um grupo de advogados, entre eles, Júlio Cesar Pacheco, articula chapa para disputar a OAB de Passo Fundo. Ainda não se sabe se o atual presidente Alexandre Gehlen pretende concorrer a reeleição. Decisão só no segundo semestre.

 

Gostou? Compartilhe