OPINIÃO

Fatos - 18/12/2014

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Patussi na presidência
Não houve disputa, e sobraram votos para eleger o vereador Márcio Patussi, PDT, presidente da Câmara de Vereadores para o período de dois anos. Não foi uma derrota da administração, mesmo porque o prefeito Luciano Azevedo já havia manifestado publicamente que não iria interferir no processo de formação da nova Mesa Diretora do Legislativo, respeitando a independência entre os Poderes. Além disso, Luciano mantém um bom relacionamento com Patussi que já o substituiu no cargo em outras ocasiões. Com a eleição de Juliano Roso, PCdoB, como deputado estadual, Patussi passará a exercer mais vezes o cargo de prefeito, sempre que isso for possível. Por outro lado, essa situação não deixa de ser uma prévia para uma futura aliança entre o PPS de Luciano e o PDT de Patussi. A saída do PP e do PMDB da base aliada é uma questão de tempo, o que pode abrir caminho para um entendimento com outros partidos e o PDT está, sim, nos projetos de Luciano.

Liderança
Com a posse do atual líder, deputado Gerson Burmann, na Secretaria de Obras e Habitação, o deputado Diogenes Basegio vai assumir a liderança da Bancada do PDT no início de janeiro. 

Posse
O governador eleito do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori tomará posse na tarde do dia 1º de janeiro de 2015. A cerimônia inicia-se às 14h, na Assembleia Legislativa do Estado. Depois, às 15 horas, Sartori e Cairoli encaminham-se ao palácio Piratini, para a transmissão de cargo pelo governador Tarso Genro. Hoje, os eleitos serão diplomados pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Contraditório
Lideranças do PCdoB não engoliram o voto do vereador Alex Necker, favorável ao projeto do ticket alimentação. Querem que o partido debata o tema internamente através de reunião ampliada do diretório e não aceitam que a decisão de votar contra os servidores seja tomada sem consulta ampla. “Em pão e água não se mexe. O PCdoB tem uma história voltada às lutas de classe e ao lado do trabalhador e não se curva a decisões palacianas”, disse uma das lideranças.

Expulsão
Com a intenção de se manter na base do prefeito Luciano Azevedo, um grupo do PP articula a expulsão do vereador Marco Silva do partido. Ele votou contra o projeto do Executivo que ajustava o ticket alimentação. A posição de Marco Silva, até bem pouco tempo, não fazia diferença para a administração, que mantinha a maioria mesmo sem o voto do vereador. Agora já faz, e muito. No entanto, desde o início do mandato, Silva tem tido postura diferente da orientação da base governista o que, segundo alguns entendimentos, seria suficiente para expulsá-lo do partido. Mas, não há unanimidade já que os problemas internos dos progressistas são maiores do que os posicionamentos, legítimos, do vereador.

Gostou? Compartilhe