OPINIÃO

Fatos - 20/12/2016

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Tensão
Iniciou sob tensão e, de certa forma, violenta, a votação do pacote do governo de Sartori, ontem, na Assembleia Legislativa. Com os prédios da Assembleia e Palácio Piratini reforçados pelo policiamento da Brigada Militar, desde as primeiras horas da manhã, houve confronto com manifestantes. Do lado de dentro uma torcida dividida entre contra e a favor. O clima tenso deve permanecer até a quinta-feira, se a pauta não for vencida. O prazo da urgência dos projetos encerra no dia 22. Nas estratégias já conhecidas, a oposição tentou adiar ao máximo o início da votação, usando todos os espaços possíveis e imagináveis para se manifestar. Um processo cansativo que se estenderá por madrugadas.


Nas redes
As redes sociais foram mais uma vez a ferramenta usada por oposição e governo na tentativa de explicar posições e buscar apoios. O próprio governador José Ivo Sartori fez uma transmissão ao vivo pelo Facebook para pedir pela aprovação do pacote. Deputados do governo fizeram o mesmo durante a manhã.


Corda
Em manifestação pelo apoio ao pacote do governo, a Famurs tem divulgado que, cerca de 44% das cidades gaúchas, podem encerrar 2016 no vermelho. A queda de R$ 335 milhões do FPM, a redução de repasses estaduais e federais e o crescimento vegetativo dos gastos das prefeituras são algumas das razões para esse cenário adverso.
 

Barriga
Deputado Jerônimo Goergen, PP, disse que a suspensão, por até três anos, das dívidas dos estados em crise com a União, por meio de um regime de recuperação fiscal, joga o problema para o futuro.“Na minha opinião não resolve, apenas empurra com a barriga”, argumentou. O parlamentar considera que o RS já pagou o que devia.

Passando o rodo
Levantamento feito pelo Portal El País mostra que o governo de Michel Temer, em que pese toda a baixa popularidade, tem mais a comemorar: em apenas três dias, o Congresso imprimiu um ritmo de votação quase cinco vezes maior do que costumou fazer durante todo o ano. Os deputados votaram 62 projetos, média de 20,6 por dia. Mostra que, quando quer, faz.

Gostou? Compartilhe