OPINIÃO

Fatos 23.05.217

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Recado de Maia

O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, DEM, deu a entender que não vai dar andamento aos pedidos de impeachment do presidente Michel Temer. Serão nove com o que a OAB deve protocolar nesta semana. Em declarações à imprensa, ontem, depois das delações dos executivos da JBS, Maia disse que não vai se prestar ao papel de interromper o processo de reformas e promete para hoje dar prosseguimento às votações, entre elas, medidas provisórias, cujos prazos estão vencendo. Com a reafirmação de Temer de que não renunciará, pois isso seria uma confissão de culpa e com a negativa do presidente da Câmara em dar andamento aos processos de impeachment, retirar Temer da presidência só se houver a cassação da chapa Dilma-Temer por parte do TSE. As sessões para iniciar o julgamento estão previstas para o começo de junho. Até lá o Brasil sangra.   

Reflexões

Tenho detido minhas leituras muito mais em reflexões que fogem a desnecessária separação entre bons e maus, entre direita e esquerda, entre os que pensam de uma forma e os que se tornam inimigos por discordarem dela. A imparcialidade é um exercício diário na vida de um jornalista. Para ajudar neste exercício, o mínimo que se pode fazer é não se deixar contaminar pelo radicalismo das posições ideológicas apaixonadas. Reflexões como a do diretor geral da Imed, Eduardo Capelari, merecem a leitura. O texto está na página 4 da edição de hoje de ON.  

Eleições

Rene Cecconello ressurge em atividades partidárias. Na passagem do ex-senador Eduardo Suplicy por Passo Fundo, há uma semana, ele foi um dos divulgadores das atividades. É um dos nomes do PT para 2

Desabafo

O desembargador aposentado Lauro Pacheco, pai de Frederico Pacheco, primo de Aécio Neves, e que foi preso em operação da Polícia Federal, na semana passada, publicou um desabafo em sua rede social, dirigindo-se ao senador suspenso. Diz ele: “Meu filho FredericoPacheco de Medeiros está preso por causa de sua lealdade a você, seu primo. Ele tem um ótimo caráter, ao contrário de você, que acaba de demonstrar, não ter, usando uma expressão de seu avô Tancredo Neves, 'um mínimo de cerimônia com os escrúpulos'. Vejo agora, Aécio, que você não faz jus à memória de seu saudoso pai o Deputado Aécio Cunha. Falta-lha, Aécio, qualidade moral e intelectual para o exercício do cargo que disputou de Presidente da República. Para o bem do Brasil, sua carreira política está encerrada."

Sinceridade

O vereador Patric Cavalcanti, DEM, lamentou que o deputado Onyx Lorenzoni, do seu partido, esteja na lista de recebedores de caixa 2 da JBS. Ele recebeu R$ 100 mil em 2014 e admitiu publicamente, assim que a revelação veio à tona. Cometeu um ilícito como 1.829 políticos denunciados pela empresa. Mas só Onyx admitiu. Ninguém pode falar que faltou com a verdade. Vai pagar pelo erro. 

Gostou? Compartilhe